Francelino França
De Londrina
O cineasta Nelson Pereira dos Santos inscreveu seu nome no cinema brasileiro como precursor do Cinema Novo. Em sua extensa carreira também inclui a autoria de importantes roteiros cinematográficos. Depois de muito hesitar, Santos lança o livro ‘‘Três Vezes Rio’’, da coleção Artemídia, etiqueta da editora Rocco, composto por três de seus roteiros. Nessa trilogia carioca, o Rio não se apresenta somente como cenário, mas emerge como protagonista.
‘‘Sempre hesitei em publicar meus roteiros, peças que não se encontram na categoria dos escritos de vida própria e que, por isso mesmo, devem desaparecer quando o filme se faz’’, confessou NPS. Nesse lançamento, ele faz o caminho inverso, partindo do filme pronto para o filme escrito. Em ‘‘Rio, 40 Graus’’ (1955) pode-se constatar a fluência dos diálogos do cineasta e a estética da pobreza retratada no dia-a-dia do morro.
Esse filme foi um precursor do Cinema Novo, rodado inteiramente em locações, ao modo do neo-realismo italiano. ‘‘Como não havia nenhum produtor interessado, não ameaçava nenhuma pressão para terminar o trabalho’’, relembra. O resultado foi um roteiro organicamente encadeado.
‘‘Rio, 40 Graus’’ parte da história particular de cinco garotos vendedores de amendoim, mergulhados na perigosa e insinuante cidade maravilhosa. Por trás dos arquétipos cariocas, como o Maracanã, a malandragem, as praias e o morro, Nelson Pereira dos Santos apresenta a real dimensão humana de anônimos que vivem o Rio, num calor infernal, no verão dos anos 50, num fatídico domingo.
O segundo roteiro apresentado no livro é ‘‘Rio, Zona Norte’’ (1957), protagonizado por Grande Otelo, numa história parcialmente inspirada na vida do sambista Zé Kéti (falecido em 1999). O filme tornou-se um importante documento sobre a música popular brasileira. Ângela Maria faz uma participação especial como estrela maior na constelação de cantoras dos anos 50. Desta vez, NPS realizou um projeto aberto até o momento de filmar. A duração e a profundidade de campo de cada plano nascia frequentemente quando gritava ‘‘ação’’.
Os personagens em ‘‘Rio, Zona Norte’’ são mais sonhadores, querem se lançar acima da mediocridade que os cerca na difícil vida no morro. O sambista Espírito, por exemplo, sonha ver seus sambas melodiosos na voz de toda a cidade, mas é trapaceado por um radialista e assaltado por bandidos do morro. A história é narrada em flash-back. Ao final, Nelson Pereira dos Santos deixa a amargura sobressair. Isso chega a ser subversivo.
‘‘O Amuleto de Ogum’’, terceiro roteiro da série ‘‘Três Vezes Rio’’, foi realizado entre 73 e 74. Desta vez, Nelson Pereira dos Santos frequentou terreiros de pais e mães-de-santo para se familiarizar com a realidade da umbanda. Contou com a colaboração de Erley de Freitas e Francisco Santos, agregando ao projeto um roteiro sobre o mitológico Tenório Cavalcanti. O cineasta realizou um caldo religioso-popular na Baixada Fluminense, zona oeste do Rio de Janeiro.
A religiosidade fundamenta a história de um homem de corpo fechado. O professor e roteirista Jean-Claude Bernardet considera o filme ‘‘O Amuleto de Ogum’’ uma produção cinematográfica vinculada eminentemente ao povo. Nelson Pereira dos Santos faz uma metalinguagem entre o cego cantador do filme e o cinema brasileiro, e finaliza o filme com o cego cantando ‘‘se me der na veneta, eu mato/ Se me der na veneta, eu morro’’.
Depois de lerem os roteiros, os cinéfilos interessados podem assistir a ‘‘Rio, 40 Graus’’ e ‘‘Rio, Zona Norte’’ em vídeo, ambos em preto-e-branco e lançados pela Manchete Vídeo.Roteiros de Nelson Pereira dos Santos estão reunidos em ‘‘Três Vezes Rio’’, que acaba de ser lançado pela editora Rocco
ReproduçãoNelson Pereira dos Santos e sua mulher, Laurita Santana, com os técnicos no encerramento das filmagens de ‘‘Rio, Zona Norte’’Arquivo FolhaNelson Pereira dos Santos no Festival de Gramado, em 1998: homenageadoReproduçãoAcima Ana Beatriz e Georvan Ribeiro, abaixo Jece Valadão: cenas de ‘‘Rio 40 Graus’’ReproduçãoAcima, Jards Macalé e Ney Santana, abaixo Ney Santana e Anecy Rocha em cenas de ‘‘O Amuleto de Ogum’’