Inaugurada em 1945, a casa de alvenaria da família Roehrig na esquina da Rua Tupi com a Avenida Higienópolis chamava a atenção por quem passava por Londrina. De estilo germânico, com jardim decorado com pequenos gnomos em gesso (figuras representantes do folclore alemão), a residência lembrava ilustrações de contos de fada e acabou ganhando o apelido de "Casa dos Anõezinhos", encantando crianças e adultos que apreciavam pelo muro baixo uma construção que destoava das poucas casas de material que existiam na cidade.
Como um gesto concreto de amor, a casa foi praticamente um presente do pioneiro Roberto Júlio Roehrig à sua esposa, Mercedes Hauer Roehrig, que após enfrentar um começo difícil em Londrina, morando em uma pequena casa de madeira, na Rua Sergipe, merecia ter a sua "casa dos sonhos", construída de forma semelhante à uma residência que ela admirava em Curitiba, cidade natal do casal.
Eles chegaram em Londrina em 1939, com a intenção de ficar apenas cinco anos para instalar uma filial de uma empresa curitibana de materiais de construção. O projeto arquitetônico da casa ficou a cargo do jovem engenheiro Rubens Meister, que mais tarde projetaria o Teatro Guaíra e o Palácio Iguaçu, em Curitiba. Além do casal, moravam na casa os quatro filhos dos pioneiros: Ruth, Leony, Milton e Júlio.
Hoje, com 77 anos, o advogado Júlio Rodolfo Roehrig lembra com saudosismo da infância feliz na residência que praticamente virou uma espécie de "ponto turístico" da cidade, principalmente na época do Natal, quando a casa ganhava uma decoração especial, cheia de pequenas luzes. "Era o meu pai que cultivava as rosas que circundavam os muros da casa e naquela época ninguém pegava da rua uma rosa sequer. Era de se admirar o respeito e honestidade das pessoas. A minha mãe também cultivava muitas orquídeas e, quando elas floriam, vinham caravanas de japoneses de Assaí e Uraí para ficar admirando durante horas as flores, era impressionante. No Natal, então, tinha gente toda hora observando a casa", recorda-se.
Sua irmã, a professora Ruth Roehrig Ávila, de 86, que possui uma réplica perfeita da casa de sua infância e vários móveis e objetos que pertenceram aos pais, também se emociona ao falar da casa que tanto representou para a família: "Tenho muitas saudades e lembro bem do poeirão que levantava a cada carro que passava pela rua. Tínhamos que deixar panos úmidos nos beirais das janelas e portas para conseguir manter a casa limpa, ainda mais que a casa era no caminho para o aeroporto da cidade, que ficava próximo onde hoje é o Patrimônio Regina", destaca. "Era comum também recebermos visitas de amigos da Alemanha e a casa vivia cheia", observa.
Em 2007, sete anos após o falecimento da matriarca, ficou insustentável economicamente manter a casa e decidiu-se demolir a residência para a construção da sede de um banco, em atividade até hoje no local. "Retiramos os móveis e o piso de caviúna, mas não era mais possível manter a casa. Tentamos várias alternativas junto ao poder público, como o tombamento cultural da casa, mas não foi possível", destaca o advogado Júlio Rodolfo Roehrig. No dia da demolição, que era feriado, ele recorda que levantou cedo para acompanhar os trabalhos, mas não conseguiu ficar até o final: "A hora em que eu vi a chaminé cair, não deu mais para continuar lá. Foi triste e melancólico", lamenta.
Para preservar a memória dos pais pioneiros e motivado pelas comemorações aos 80 anos de Londrina, ele decidiu doar ao Museu Histórico de Londrina duas pinturas a óleo feitas pelo renomado artista plástico Edgar Werner Osterroht com reproduções de imagens dos seus pais e da casa que marcou a vida da família e de tantos londrinenses. "Foi uma forma de prestar uma homenagem aos meus pais que foram pioneiros e aos londrinenses. É uma pena que não tenhamos conseguido preservar as casas de tantos pioneiros. Há sempre muitas histórias para contar a partir desses locais e ainda há muita gente viva que foi testemunha presencial de muita luta e esforço por Londrina", ressalta.

'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses
'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses 'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses 'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses 'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses 'Casa dos Anõezinhos' faz parte da memória afetiva dos londrinenses