Kevin Spacey, Russell Crowe, Denzel Washington, Sean Penn e Richard Farnsworth foram os cinco indicados ao Oscar de melhor ator de 99. Saber se todos mereceram ou não fazer parte desta lista exige uma análise mais profunda, mas uma coisa é certa: a melhor interpretação masculina do ano passado foi esnobada pela Academia. Estou me referindo a Jim Carrey, por sua espetacular criação do comediante norte-americano Andy Kaufman em ‘‘O Mundo de Andy’’, dirigido por Milos Forman.
A performance de Jim Carrey é tão boa quanto a de Hilary Swank (vencedora do Oscar de melhor atriz por ‘‘Meninos Não Choram’’). Ele já havia sido injustiçado em 98, quando fez ‘‘O Show de Truman’’, o que mostra que a Academia detesta Jim Carrey. Se você acha que é exagero, então não deixe de conferir ‘‘O Mundo de Andy’’. Jim Carrey não interpreta Andy Kaufman, que mudou os rumos do humor na TV americana no final dos anos 70 e que morreu de câncer em 1984: ele é Kaufman.
O filme não foi bem recebido pela crítica e nem pelo público, principalmente no Brasil, onde poucas pessoas sabem quem foi Kaufman. Milos Forman não se preocupou em desvendar a verdade por trás do mito Kaufman, que assumia diferentes identidades e despertou amor e ódio entre público e amigos. ‘‘O Mundo de Andy’’ se ocupa apenas em radiografar várias fases da vida e da carreira do comediante, reproduzindo com fidelidade impressionante alguns momentos que marcaram a história do humorismo americano.
Andy era tão obsessivo e realista em suas brincadeiras que muita gente chegou a pensar que sua morte era mais uma peça que ele estaria pregando nos amigos. Quando Forman começou a rodar o filme, algumas pessoas chegaram a dizer que a volta triunfal do comediante se daria na estréia do filme. Isso realmente aconteceu, mas na pele de Jim Carrey, que com sua brilhante atuação ressuscitou Kaufman em celulóide. Vale a pena assistir ao filme para conhecer um pouco deste polêmico comediante e, principalmente, para conferir uma performance pouco vista no cinema. E o responsável por isso é o subestimado Jim Carrey. Duração: 118 minutos.







OUTROS LANÇAMENTOSReproduçãoCom um elenco jovem e afiado, filme é uma versão 2000 de ‘‘Wall Street’’


O Primeiro Milhão
Pode-se dizer que ‘‘O Primeiro Milhão’’ é uma versão 2000 de ‘‘Wall Street’’. Mas ao invés de investir no jogo do poder como na produção de Oliver Stone, o filme se concentra na moralidade e problemas familiares. Giovanni Ribisi, interpreta Seth Davis, um jovem que monta um pequeno cassino em seu apartamento, mas pressionado pelo pai (Ron Rifkin), que é um importante juiz federal, ele deixa de lado sua vida ilegal e decide ir trabalhar numa firma que promete transformar empregados em milionários.
A felicidade, porém, dura pouco. Logo Seth Davis descobre que existe algo de podre na empresa onde trabalha. O mais interessante no filme são as calorosas discussões entre pai e filho. Apesar do excesso de falatório, o diretor estreante Ben Younger, de 26 anos, segura bem o elenco e consegue prender a atenção. O elenco todo jovem (incluindo pontas de Ben Affleck e de Tom Everett Scott), está afiadíssimo. Mesmo lançando mão de alguns clichês, Ben Younger demostra ter talento. Lançamento da PlayArte. Duração: 117 minutos.



ReproduçãoMente de John Malkovich é invadida por um manipulador de marionetes






Quero Ser John Malkovich
O diretor estreante Spike Jonze encontrou uma maneira inusitada e bizarra de mostrar como o cinema explora a fama e o voyeurismo. ‘‘Quero Ser John Malkovich’’ é um filme intrigante, com um ótimo elenco e um roteiro bastante inteligente. Um manipulador de marionetes desempregado vai trabalhar como arquivista em uma empresa cheia de tipos estranhos. Como se não bastasse, ele encontra em seu escritório uma porta que esconde um longo túnel que vai dar no cérebro de John Malkovich, permitindo ao usuário ver o mundo por meio dos olhos do ator durante 15 minutos.
No elenco estão John Cusack, Cameron Diaz e, é claro, John Malkovich. O filme é um dos mais originais e surreais produzidos no ano passado, graças à história sobre fama e voyeurismo expelida pela mente perturbadora do roteirista Charlie Kaufman. Não deixe de embarcar nessa viagem fantástica. Lançamento da CIC. Duração: 112 minutos.