LITERATURA -

As geladeiras que aquecem o hábito da leitura

Projeto de incentivo à leitura, que coloca livros à disposição de todos em geladeiras usadas nas ruas de Tamarana, faz campanha para ampliação

Walkiria Vieira - Grupo Folha
Walkiria Vieira - Grupo Folha

 

Literatura para todas as idades estão nas gelatecas de Tamarana onde são encontrados também gibis
Literatura para todas as idades estão nas gelatecas de Tamarana onde são encontrados também gibis | Divulgação
 



A oração atribuída ao escritor e humorista Millôr Fernades "Rapazinho, estuda depressa, porque burro aos 30, é burro à beça"  pode ser compreendida como um incentivo ao aprendizado e também um puxão de orelhas de quem sabe o que está dizendo. Ouvir, observar, ter interesse e ler são formas de somar conhecimento. É sempre tempo de renovar o conhecimento, se especializar, se inteirar sobre o que acontece no mundo  e com o colega do lado. Estar aberto e  atento à informação, saber filtrar e  processar  são também atitudes sábias. Assim como ter princípios.



Tomando a leitura como uma fonte de cultura, a literatura é inesgotável. Com temas universais, há obras que ganham o título de obrigatórias, graças ao que oferecem aos leitores. Romance, ficção, suspense, drama, poemas, biografias e documentários são assuntos que atraem. Em Tamarana, município que integra a região metropolitana de Londrina, o projeto "Leitura na Rua Tamarana" ganha cada vez mais destaque. Idealizada pelo jornalista Lucas Marcondes Araújo, a proposta é permitir que as pessoas tenham acesso aos livros gratuitamente. "Que levem para casa, leiam no tempo delas e devolvam para que outras pessoas possam também ler a obra escolhida", explica.



Uma curiosidade é que a estante de livros é uma geladeira desativada, assim a biblioteca a céu aberto foi batizada de gelateca. Araújo explica que viu a gelateca  em outro estado e com o interesse de despertar, promover e difundir mais a leitura, colocou sua ideia que estava no papel, em prática. Amigos, redes informais de difusão cultural e empresas como Sebo Capricho e a empresa Tamarana Tecnologia integram a lista de doadores. "Os comerciantes locais nos ajudam muito também na divulgação do equipamento  e sabemos que  assim como outras cidades, há um déficit de equipamentos culturais em Tamarana e ações como essa são bem recebidas pela população", explica.



Segundo o idealizador, a maior adesão é de mulheres e crianças. "Temos livros para todas as idades e os gibis são muito procurados", informa. "Fui procurado pela comunidade da terra indígena Apucaraninha para deixar uma geladeira disponível lá. Será muito positivo. Eles procuram mesmo", diz.  

 

Adesão de mulheres e crianças mostra que projeto é relevante
Adesão de mulheres e crianças mostra que projeto é relevante | Divulgação
 


CONSCIÊNCIA AMBIENTAL


As geladeiras inservíveis ganham nova função. Araújo explica que foram doadas oito geladeiras, três já se transformaram em gelatecas e outras cinco aguardam para  serem grafitadas e colocadas em nova atividade -  objetos que não raro são descartados de modo incorreto e em local indevido. Desse modo, além de os livros circularem entre as famílias gratuitamente, a nova função da geladeira é também um projeto que vai ao encontro da sustentabilidade. Cada gelateca comporta em média 350 livros e tudo começou em agosto de 2019. Tudo isso só acontece graças a uma rede informal de cidadãos tanto do próprio município quanto de fora dele – e até de outros estados e do exterior. Eles já doaram centenas de livros desde o início do projeto", agradece.



Com a grafitagem das três primeiras geladeiras, em meados de 2020, mais de 1.200 títulos, principalmente de literatura, já foram colocados em circulação para serem emprestados, e “devorados”, pela população tamaranense. Segundo Araújo. Agora, a  nova leva de geladeiras será abrigada em localidades distintas do município e região – entre elas, duas atrações turísticas da zona rural de Tamarana e também em Lerroville, distrito de Londrina.




Serviço:

Projeto Leitura na rua Tamarana

Doações de livros e interessados em contribuir financeiramente com a grafitagem podem entrar em contato com o Leitura na Rua Tamarana pelo WhatsApp (9 9941-9341), Instagram (@leituranaruatamarana), ou através do e-mail: [email protected]

Mais informações em  vídeo institucional do projeto (https://youtu.be/w7QB8UoKPiw).


Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo