|
  • Bitcoin 124.000
  • Dólar 5,0950
  • Euro 5,2413
Londrina

Folha 2

m de leitura Atualizado em 27/06/2022, 16:58

Anitta denuncia mortes na AM no Rock in Rio Lisboa

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 27 de junho de 2022

Laura Lewer/ Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Lisboa (Portugal) - Anitta, que no domingo (26) fez um dos shows mais aguardados do Rock in Rio Lisboa, falou, em conversa com a imprensa pouco antes de subir ao palco, sobre os perigos de denunciar crimes ambientais que acontecem na região amazônica, dias após a morte de Bruno Pereira e Dom Phillips.

"Para quem é de Portugal e nunca foi para o Brasil: a Amazônia é terra de ninguém, é uma grande bagunça. Lá acontece de tudo, ninguém vê nada, é uma coisa que precisa de atenção", afirmou.

"Quem se expõe para falar acaba morto, acaba com a família torturada, acaba tomando um cala a boca. E se vier me matar, vai ter que aguentar a assombração que eu vou virar depois. A Amazônia é o grande tesouro do nosso país, e as pessoas a tratam como nada. É inaceitável que esse lugar seja perigoso para as pessoas visitarem."

A cantora ainda falou sobre a CPI dos sertanejos, que teve seu início após uma polêmica envolvendo a tatuagem que ela fez na região do ânus. "Olha, eu fiquei passada. Detesto esse negócio de briga entre ritmos, briga entre artistas, para mim a música tem que unir as pessoas, disse.

"Só que eu aproveitei isso para fazer dinheiro, então da minha tatuagem eu só vou falar quando for lançar um produtinho mês que vem", anunciou, sugerindo que vai aproveitar a polêmica para lançar um produto com seu nome. 

A controvérsia começou quando o cantor Zé Neto, da dupla com Cristiano, criticou a tatuagem da cantora, dizendo que não dependia da Lei Rouanet e que seus cachês "quem paga é o povo". A discussão que se seguiu à sua frase, dita num show em Mato Grosso, gerou uma investigação que revelou que os sertanejos se valem de recursos públicos para impulsionar suas carreiras, ainda que se gabem de não usar a Lei de Incentivo à Cultura.