Youtubers ensinam técnicas do mercado de ações para jogadores de Fifa


LUCIANO TRINDADE
LUCIANO TRINDADE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Flutuação de mercado, investimentos de curto, médio e longo prazo, oferta e demanda. Os termos comuns para quem trabalha no ramo financeiro também fazem parte do dia a dia de quem gosta do modo Ultimate Team, da franquia Fifa, no qual os usuários buscam acumular moedas digitais para formar times cada vez mais fortes.

A principal técnica usada é o trade, no qual ocorre a compra e venda das cartas que representam atletas reais, sempre buscando obter lucro com as oscilações de preços ao longo de um dia ou da semana.

O sistema é semelhante ao mercado de ações e tem se popularizado na chamada comunidade de Fifa por meio dos youtubers e streamers que ensinam técnicas de leitura do mercado.

"O jeito mais simples de entender trade é: comprar e vender cartinhas pensando em ganhar cada vez mais coins (moeda do jogo) para aumentar seu patrimônio e poder comprar as cartas melhores", define Rodrigo Hashimoto, 39, dono do canal Rodrigol FC, dedicado a falar sobre Fifa, com cerca de 126 mil inscritos.

Dentro do jogo, os valores e as oscilações de cada carta são definidos, principalmente, por dois fatores: a qualificação (bronze, prata, ouro ou especiais) e a utilidade no jogo -algumas são boas o suficiente para serem incorporadas aos times, enquanto outras são usadas em desafios que pedem a troca de cartas por pacotes com novos itens, incluindo jogadores e artigos para os clubes.

Há, também, uma influência causada pelos eventos promovidos pela EA Sports, produtora do game, que periodicamente insere coleções de cartas com versões melhoradas dos jogadores, o que reduz o valor das opções antigas.

Entender o momento certo de comprar e vender determina o sucesso do trade, segundo Samuel Lira, 29, conhecido como Milionário do UT (abreviação de Ultimate Team), nome que ele usa tanto em seu canal no YouTube, com cerca de 15 mil inscritos, como nas lives na Twitch, na qual ele dá aulas ao vivo sobre o assunto.

O streamer cita como exemplo o que ocorre quando os jogadores do Ultimate Team recebem recompensas.

"No Fifa, nós temos premiações [coins e pacotes cedidos em determinado dia após a disputa de jogos] e o dia que todos recebem é como o dia de pagamento na vida real. O que geralmente as pessoas fazem no dia de pagamento? Vão ao mercado. Como os donos de mercado sabem disso, os preços de algumas coisas sobem. No Fifa, a rapaziada compra quando está em baixa e vende quando a galera está comprando", diz.

Segundo Samuel, é possível reconhecer diferentes perfis de investidores. "Tem aqueles que gostam das flutuações diárias. Outros aproveitam o fuso dos países europeus. Por exemplo, quando a galera de lá, que é a maior base do Fifa, está dormindo, os brasileiros compram no fim da noite esperando que elas possam valorizar na manhã seguinte, quando os europeus acordam e querem montar times", diz.

O professor de finanças da ESPM Alexandre Ripamonti compara a prática com métodos comuns no ramo financeiro. "No mercado isso chama-se análise técnica. Você analisa as movimentações dos preços para saber qual a tendência, para onde os preços estão indo", explica o docente.

Atualmente, existem três sites -FutBin, FutHeade e Futwiz- que possuem uma base de dados, com todas as cartas do game e oferecem gráficos para analisar justamente essas tendências.

"Não existe um único trade que eu faça sem conferir as informações, gráficos e status pelo Futbin", afirma Artur Guilherme Carneiro, 23, dono do canal DantheBNN, sobre o game Fifa, com cerca de 12 mil inscritos.

O analista Rafael Ribeiro, da Clear, corretora ligada à XP, empresa de gestão de investimentos, identifica no jogo ações semelhantes às práticas de seu dia a dia.

"Saber analisar o mercado é fundamental para fazer investimentos. Quando você estuda, passa a ter essa percepção. E se você conseguir passar esse conhecimento para o mercado financeiro vai fazer a mesma coisa que a gente faz. Quando você deixa de olhar o Fifa como apenas um joguinho e tenta entender, você vira um especialista, um analista de mercado", afirma.

Streamer Samuel Lira, conhecido como Milionário do UT, ensina trade para o Fifa em seu canal no YouTube Arquivo pessoal Streamer Samuel Lira, conhecido como Milionário do UT, ensina trade para o Fifa em seu canal no YouTube **** Ripamonte acrescenta que o Ultimate pode ser encarado como um simulador, no qual possíveis futuros investidores são moldados. "Mesmo se tratando de um jogo, a tendência é que saiam do jogo investidores mais agressivos, investidores que tem o perfil mais arrojado para operar. Soma-se isso às taxas de idade, que acredito ser de um público mais jovem, com arrojo, isso estimula a fazer operações mais arriscadas."

Dentro do Fifa, o risco é recompensado pela oportunidade de comprar cartas de jogadores como Neymar, Lionel Messi, Cristiano Ronaldo e Mbappe. O francês, atualmente, é o mais caro entre as cartas ouro: custa 1,3 milhão de coins. O português é o segundo com maior valor (1 milhão), o brasileiro aparece em terceiro (753 mil) e o argentino completa a lista (740 mil).

Basicamente, existem alguns métodos para acumular coins: com partidas disputadas, que geram premiações de acordo com o desempenho (vitória, empate e derrota); pela abertura de pacotes cedidos dentro do jogo ou comprados com dinheiro real na loja oficial; e, principalmente, pelas transações no mercado.

"Eu acho que a melhor forma de obter os melhores jogadores é comprando pacotes. Mas o preço deles no Brasil é muito caro. Então, o trade é uma forma de driblar isso. Eu lembro que uma vez comprei uma carta por 800 coins e, quando fui vender, estava 1000. Pensei que poderia fazer isso mais vezes e aí comecei a pesquisar e entender melhor o que acontecia", diz o administrador Rodrigo Lacerda, 25, jogador de Fifa.

O desejo de Rodrigo é formar um time com cartas icons, que representam ídolos do passado. Ronaldinho, Ronaldo e Cruyff são os objetivos do jogador. A raridade dessas cartas faz com que elas saiam pouco nos pacotes, além de terem um alto custo no mercado.

Mesmo assim, jogadores investem altas quantias em dinheiro para comprar os Fifa Points, que permitem adquirir pacotes na loja oficial do game -o pacote ouro mais barato custa 150 Fifa Points- um token com 100 dessas moedas, o menor vendido, custa R$ 6. O maior, com 12.000, custa R$ 499. A versão básica do jogo Fifa 22 custa R$ 299.

A venda de Fifa Points representa uma das maiores fontes de receita da EA. O Ultimate Team de jogos como Fifa, Madden NFL 21 e NHL 21 gerou US$ 1,62 bilhão (R$ 9,12 bilhões) de receita para o estúdio no ano fiscal de 2020 (de abril de 2020 a março de 2021).

Apesar de não especificar os valores para cada game, a EA informou que a maior parte dessa arrecadação veio do FIFA 21. "FIFA é o nosso maior e mais popular jogo e franquia", diz o estúdio.

O alto valor arrecadado com as microtransações faz com que a empresa aplique punições a jogadores que vendem coins de forma ilegal, em mercados paralelos. As punições variam de suspensões temporárias da conta do usuário até o banimento completo -o jogador teria de criar uma conta nova para voltar a jogar.

O medo de perder a conta e a dificuldade para comprar Fifa Points são coisas que também fizeram o trade se tornar popular. "Às vezes, passo mais tempo no mercado do que jogando", diz Rodolfo de Macedo, 27, publicitário e jogador de Fifa.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito
Assine e navegue sem anúncios [+]

Últimas notícias

Continue lendo