O Tubarão encerra o ano de saldo positivo com a torcida. O acesso à Série A bateu na trave mais uma vez, mas o título do campeonato paranaense do interior e, principalmente, da Copa da Primeira Liga deixam o alviceleste em paz com a torcida para o início da próxima temporada. Entretanto, uma falta será sentida pelo torcedor em 2018: Cláudio Tencati. Foram quase sete anos a frente do Londrina, até que o treinador decidiu procurar novos ares, dando chance ao pentacampeão Ricardinho, ex-Tupi, de assumir a equipe e seguir com o projeto de levar o Londrina à Série A.

"Eu estava ficando preocupado, pois estava há seis anos e sete meses no Londrina e tudo começa a ficar acomodado, principalmente dessa realidade que é o mercado de técnicos do futebol brasileiro. Eu sempre estive seguro, com respaldo de todos, do Sérgio [Malucelli, gestor do clube], em outro lugar eu não sei se conseguiria obter essa mesma sequência, então eu decidi encarar o mercado agora, já que minha idade permite. Daqui a pouco eu ia acabar saindo e pegaria o mercado totalmente diferente, preciso enfrentar e passar por essas etapas", frisou Cláudio Tencati, ainda sem clube para a próxima temporada. As etapas a que se refere o ex-treinador do LEC são as de trocas de cargo, a de dirigir uma grande equipe com um projeto ambicioso, e a de ter que passar por pressões que não vinha encarando no Londrina – e que podia acabar perdendo o "barco" futuramente quando deixasse o clube.

Imagem ilustrativa da imagem Tubarão encerra 2017 com saldo positivo
| Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina Esporte Clube



O primeiro semestre do Londrina foi irregular e contou com um misto de emoções para o torcedor. Em fevereiro, a equipe foi capaz de ser eliminada da Copa do Brasil pelo modesto Gurupi-TO, sendo derrotada por 2 a 1 e precisando apenas de um empate para avançar à próxima fase. "Fizemos a pior partida do ano contra o Gurupi, sem dúvidas. Contra o ABC [derrota por 3 a 0 em Natal] enfrentamos uma grande equipe ainda, na Série B, mas contra o Gurupi houve um menosprezo de maneira geral, um erro que nós cometemos e que eu admito", apontou o treinador.

No início de abril, na primeira partida das quartas-de-final do Campeonato Paranaense contra o J. Malucelli, o Tubarão foi derrotado em casa por 3 a 1 e se encontrava virtualmente eliminada de qualquer disputa até o início da Série B. Porém, uma semana depois a equipe curitibana foi punida com a perda de 16 pontos pela escalação irregular do atacante Getterson, abriu espaço para o Rio Branco na zona de classificação e o Tubarão ganhou sobrevida, vencendo a equipe do litoral. Eliminado na semifinal pelo Atlético-PR, o time acabou mais uma vez com a conquista do título do interior - pelo terceiro ano consecutivo - ao derrotar o Cianorte e encontrou o primeiro momento de paz em 2017.

Imagem ilustrativa da imagem Tubarão encerra 2017 com saldo positivo
| Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina Esporte Clube



Em meio a isso, o Londrina encarava a primeira fase da Copa da Primeira Liga, torneio esvaziado que não estava nem no planejamento da temporada, mas que acabou participando após receber o convite dos organizadores após a desistência dos representantes paranaenses da competição (Coritiba e Atlético-PR). "Nós entramos por um convite no torneio, nem estava na nossa programação. É claro que a partir do convite, dos primeiros jogos que foram sendo realizados, nós levamos sempre a sério, mas se alguém perguntar, de maneira sincera eu respondo, não era um dos objetivos da temporada", afirma Cláudio Canuto, presidente do clube. Foram três jogos e três vitórias no grupo D da Primeira Liga, onde encarou Avaí, Figueirense e Paraná, terminando com 100% de aproveitamento, melhor campanha e com a vantagem de decidir todas as partidas do mata-mata em casa.

O Campeonato Brasileiro da Série B começou com uma derrota por 3 a 0 em casa diante do Internacional. A primeira vitória viria apenas na terceira rodada, 3 a 1 diante do Luverdense com dois gols de Jonatas Belusso – que já havia marcado na rodada anterior contra o Brasil-RS – e que a partir dali se tornaria um dos personagens do ano no Tubarão. O camisa 9 chegou do Brusque como artilheiro do Campeonato Catarinense e se tornou a referência da equipe. De maio a agosto marcou 11 gols e liderou a artilharia da Série B até as últimas rodadas.

Imagem ilustrativa da imagem Tubarão encerra 2017 com saldo positivo
| Foto: Gustavo Oliveira/ Londrina Esporte Clube



Belusso nem chegou a jogar a Primeira Liga, a partida das quartas-de-final contra o Fluminense foi realizada dias após sua saída do clube para o futebol árabe. Mas seu substituto resolveu a partida: Carlos Henrique, vindo do PSTC após o Paranaense, assumiu a camisa 9 e marcou os dois gols da vitória por 2 a 0 diante do tricolor carioca.

A semifinal contra o Cruzeiro foi responsável pelo maior público do Estádio do Café no ano: 17.061 pessoas. Em campo, uma equipe mineira reserva abriu 2 a 0 com Lucas Silva e Sassá e manteve o placar até os 36 minutos da segunda etapa, quando Safira, de cabeça, diminuiu. Aos 50 minutos, numa arrancada em direção a área, o mesmo sofreu pênalti, que foi convertido por Germano, 2 a 2 e decisão por pênaltis. Naquele momento nascia mais um dos personagens do Tubarão no ano. César ganhou a posição de titular no fim do Paranaense após lesão do então titular Alan. Ao defender as cobranças de Lucas Silva, Arthur e Alex e levar o LEC à decisão diante do Atlético-MG, tornou-se instantaneamente herói da torcida.

A final contra o Atlético-MG foi ainda maior e mais impactante, já que os mineiros vieram com a equipe completa para Londrina, com Fred, Robinho e cia. Na noite do dia 4 de outubro, mais uma vez brilhou a estrela de César. Após o 0 a 0, Rafael Moura e Clayton pararam no herói alviceleste, que garantiu o título da Primeira Liga ao Tubarão, o principal título de Tencati no comando do clube.

"É difícil lastimar isso [se foi o principal título], no inicio, em 2011, o mais importante era aquele momento. Claro que a Primeira Liga, pelo glamour, pelo nível nacional, deu uma evidência muito grande ao trabalho, mas o campeonato paranense foi muito importante, a conquista da divisão de acesso foi muito importante, mas esse teve mais expressão", afirmou Tencati.

O Londrina embalou na Série B após o título e ensaiou uma arrancada rumo à primeira divisão, mas não apenas pelo título, também pelos reforços que passaram a funcionar ainda mais a partir daquele momento. "Eu destaco o Edson Silva e o Dirceu [como os principais]. Eles ajustaram um sistema que não vinha dando certo desde o início, chegaram juntos e de maneira pontual, um aliado ao outro, quando começaram a jogar juntos passamos a tomar bem menos gols, tirando o jogo do ABC, foram quatro gols em dez jogos. Tivemos também o Artur [desde o início da Série B, terminou como líder de assistêcias] que caiu como uma luva e o Negueba que se adaptou muito rápido", completou o ex-treinador do LEC.

Para 2018, a ideia é fazer com que a torcida esteja ainda mais presente no Café. Mesmo com o ano positivo em campo, o Londrina teve a sexta pior média de público da Série B, com 2.917 torcedores. A baixa adesão do público preocupa o presidente Cláudio Canuto. "A gente sabe que tem uma grande torcida na cidade, mas é claro que ficamos preocupados. É um torcedor apaixonado pelo clube, até por isso teremos um novo posicionamento para recuperarmos a presença deles no estádio." O novo plano passa pelo encerramento do atual modelo de Sócio Torcedor. O acordo não será renovado com a empresa de Santa Catarina que gere o plano, já que as expectativas não foram alcançadas. Os sócios que fizeram a carteirinha até 2018 continuarão com ela, mas não haverá renovação.

As únicas contratações do clube até o momento foram a de Ricarinho para o comando técnico e a do atacante Wesley, ex-Inter de Limeira. A expectativa é que mais três reforços sejam confirmados até o início do Paranaense.

Vôlei e basquete renascem na cidade e geram nova expectativa

Em meio a mais um ano de destaque no futebol, a cidade passou a conhecer o embrião de dois novos projetos esportivos. A equipe Vôlei Positivo/Londrina disputará a Super Liga B de vôlei em 2018, torneio que dá o direito de disputar a Super Liga nacional aos dois finalistas da competição. A última vez que uma equipe feminina de vôlei da cidade disputou a Liga foi em 2000, com o extinto Grêmio Londrina.

"O time foi montado com o objetivo de chegar ao menos na final da Super Liga B, o que já nos garante a classificação. Queremos entrar para ganhar esse título, sermos campeãs, a cobrança em cima delas é essa. Eu já quero pensar na Super Liga, na frente. É um projeto arrojado, uma gestão ousada, nós precisamos de apoio e mais patrocinadores para a Super Liga nacional, para que isso aconteça, contamos com a torcida", afirmou Elisângela, ex-jogadora da Seleção Brasileira, medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Sidney, em 2000, e idealizadora do projeto.

"Fizemos uma parceria com o Rio do Sul, lá de Santa Catarina, já que a equipe de lá acabou e eles desistiram de participar da Super Liga, então chamamos as meninas para virem para cá e disputarem um amistoso contra o Vôlei Nestlê no dia 26 de outubro. Logo no mesmo dia, o Positivo, que patrocinaria só a realização dessa partida, decidiu investir na equipe e nós entramos na Super Liga B", completou.

O outro projeto que ganhou forma em 2017 e alçará voo mais alto no próximo ano é a equipe de basquete Londrina/Unicesumar/FEL, que disputará a Liga Ouro, divisão de acesso do NBB (Novo Basquete Brasil). A equipe foi formada em 2016 e conquistou os Jogos Abertos do Paraná em 2017, além dos vices-campeonatos da Taça Paraná e do Campeonato Sul-Brasileiro. "A nossa ideia é manter 70% da equipe para a temporada, mas estamos ainda num momento de montagem do elenco. Acredito que até a primeira semana de janeiro eu fecho o time inteiro para começarmos os treinos já no dia 22. A Liga Ouro vai do dia 26 de fevereiro até junho e ocupa todo o primeiro semestre, no segundo temos de novo o Paranaense, o Sul-Brasileiro e os Jogos Abertos, mas o primeiro semestre a dedicação é na Liga Ouro", frisou Bruno Lopes, treinador da equipe.

Outro destaque do esporte na cidade foi a equipe de Handebol MRV/Unicesumar/Londrina, que chegou à semifinal da Liga Nacional no segundo semestre, onde foi derrotada pela equipe de Taubaté. A equipe terminou na quarta posição e encerrou a competição com seis vitórias, nove derrotas e um empate.

A equipe de vôlei de Londrina estreia na Super Liga B dia 27 de janeiro, em Curitiba, contra a equipe Curitiba Carob House/CMP, no ginásio do Círculo Militar do Paraná. A estreia em casa será dia 3 de fevereiro, ás 18h, no Moringão, contra o São José dos Pinhais. A tabela da Liga Ouro de Basquete e da Liga Nacional de Handebol de 2018 ainda não foram divulgadas.