SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atleta Luisa Baptista amanheceu neste domingo (24) sem novas complicações e continua em estado grave na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de São Carlos, no interior paulista. A coagulação e o pulmão, diz o hospital, demandam mais atenção.

Campeã nos Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019, Luísa foi atropelada por uma moto no momento em que pedalava pela rodovia municipal Abel Terrugi (SCA-329), no sábado.

De acordo com o boletim médico divulgado pela Santa Casa na manhã de domingo, ela permanece sob cuidados intensivos sem necessidade de novas intervenções cirúrgicas.

"Luisa amanhece sem novas complicações. A coagulação e o pulmão agora são os órgãos e sistemas mais afetados e que demandam mais atenção. Luisa permanece em estado grave", afirma o boletim médico.

A triatleta, que defende o Sesi-SP, deu entrada no hospital com politrauma grave, com lesões no pulmão direito, e fraturas em vários arcos costas e na perna direita.

Segundo a Polícia Civil, o homem que atropelou Luisa não tinha carteira de habilitação, e a moto foi apreendida. O boletim de ocorrência foi registrado como lesão corporal culposa. A rodovia é esvaziada e costuma ser utilizada para treinos.

A triatleta foi campeã no individual e na categoria mista nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019. Foi a primeira mulher brasileira a conquistar o título no triatlo.

Luisa também conquistou prata (2018) e bronze (2017) em duas etapas da Copa do Mundo de triatlo e representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O COB (Comitê Olímpico do Brasil) monitora a situação da atleta e se solidarizou por meio de suas redes sociais.