|
  • Bitcoin 150.000
  • Dólar 4,9314
  • Euro 5,2150
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 27/03/2022, 17:09

Tite muda seleção em treino na Granja com festa de torcedores e neblina

PUBLICAÇÃO
domingo, 27 de março de 2022

IGOR SIQUEIRA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Em uma atividade com mais de cem torcedores, entre convidados e familiares dos membros da delegação, a seleção brasileira começou de forma mais concreta a preparação para enfrentar a Bolívia, terça-feira, pelas Eliminatórias.

O técnico Tite manteve a estrutura tática, mas desenhou uma equipe com várias mudanças em relação ao jogo contra o Chile. No trabalho com bola, o time titular ficou com: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Militão e Alex Telles; Fabinho; Bruno Guimarães, Coutinho e Antony; Paquetá e Richarlison.

No posicionamento em campo, quando o Brasil marcava em bloco mais alto, Fabinho ficou mais preso, quase enfiado entre os zagueiros. Em compensação, Bruno Guimarães cumpriu um papel de articulador mais adiantado. Paquetá, à frente, ficou mais próximo a Richarlison, como já fizera com Neymar no jogo passado. Quando o time precisou marcar mais ao meio campo, formou uma espécie de 4-4-2, com Bruno Guimarães alinhado a Fabinho — Coutinho aberto na esquerda e Antony na direita.

E A TORCIDA

Não é um dia tão frio em Teresópolis, na comparação com a semana passada, mas o início do treino teve uma forte neblina. Mas cerca de 20 minutos depois da hora programada, a visão deu uma clareada e foi possível verificar o desenho de Tite para o time.

Na arquibancada da Granja Comary, a CBF permitiu a presença dos integrantes do Movimento Verde Amarelo, que é um grupo de torcedores que se organizou para acompanhar os jogos da seleção. Também apareceram famílias dos jogadores/comissão técnica, além de convidados de patrocinadores.

Antes de Tite iniciar o treinamento tático, os torcedores gritaram o nome do técnico e do auxiliar Cleber Xavier. Com instrumentos musicais, puxaram algumas músicas que costumam cantar na arquibancada.

Foi uma forma de aproximar parte da torcida à seleção, que não jogará mais no Brasil até a Copa de 2022 — a vitória diante do Chile foi a última partida em casa no ano.