|
  • Bitcoin 153.201
  • Dólar 5,0493
  • Euro 5,2524
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 27/04/2022, 20:02

Técnico que deu cabeçada em árbitra mulher é suspenso por 200 dias

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 27 de abril de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O técnico Rafael Soriano, que agrediu a assistente de arbitragem Marcielly Netto no intervalo da partida entre Desportiva e Nova Venécia, pelo Campeonato Capixaba, foi suspenso por 200 dias. Em julgamento realizado hoje pela Primeira Comissão Disciplinar do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJD-ES), o comandante foi condenado em quatro dos cinco artigos em que foi denunciado. A decisão cabe recurso.

O episódio aconteceu em 11 de abril, quando o treinador, insatisfeito após o árbitro Arthur Gomes Rabelo encerrar o primeiro tempo antes do seu time cobrar um escanteio, foi tirar satisfações com a arbitragem e deu uma cabeçada na bandeirinha, que imediatamente levou as mãos ao rosto. Segundo a súmula do jogo, a auxiliar também foi ofendida.

Soriano, demitido da Desportiva horas após o episódio, foi enquadrado em cinco artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), e absolvido em apenas um deles: "ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto".

O treinador, porém, foi condenado por invasão de local destinado a arbitragem, desrespeitar membros da equipe de arbitragem ou reclamar desrespeitosamente de suas decisões, praticar ato discriminatório e praticar jogada violenta.

Como as penas não são cumulativas, vale a maior punição. Sendo assim, Rafael Soriano foi suspenso por 200 dias após praticar jogada violenta contra a auxiliar.

Segundo publicou o jornal O Globo, Rafael Soriano não compareceu à sessão, que superou quatro horas de duração, e foi representado pelo advogado Julio Cezar Campana Filho. Já Marcielly depôs durante a audiência.

O veículo conta que o advogado de Soriano teve 15 minutos para defender o treinador, e sustentou que reconhece a agressão. Segundo ele, a bandeirinha apontou o dedo para o rosto do comandante e ele tentou sair da frente. Como estavam próximos, houve a impressão da agressão.

O treinador nega a agressão desde a saída do campo no jogo contra o Nova Venécia. Após ser expulso, Soriano afirmou à TV Cultura que Marcielly "está querendo aproveitar de uma situação porque é mulher" e desafiou a bandeirinha a registrar Boletim de Ocorrência.