VELOCIDADE Sob polêmica, Paranaense de Automobilismo abre temporada Pilotos esquentam os motores enquanto cobram da Federação a prestação de contas dos últimos três anos Arquivo FolhaPÉ NA TÁBUACampeonato Paranaense deverá ter cerca de 60 carros nas categorias Turismo 1.600, Speed Fusca e Endurance De Londrina O Campeonato Paranaense de Automobilismo tem hoje a abertura da temporada-2000 no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Londrina, com a disputa de três provas, nas categorias Turismo 1.600 (Marcas A e B), Speed Fusca e Endurance (Força Livre, Marcas A e B e Speed). A expectativa é de cerca de 60 carros nas disputas. A primeira corrida será a da Turismo 1.600, com largada às 10h30. A Speed Fusca sai às 12 horas e a Endurance começa às 14 horas. Não haverá a cobrança de ingressos. Se dentro da pista a situação ainda está tranquila, o mesmo não se pode dizer fora dela. Pilotos e o Automóvel Clube de Londrina prometem uma manifestação contra o presidente da Federação Paranaense de Automobilismo, Luis Gehring. No ano passado, o campeonato teve dez categorias, mas este ano aconteceu um ‘enxugamento’ e serão apenas sete. As novidades são que a categoria Speed terá grid próprio e a Endurance vem com quatro subdivisões. ‘‘Estamos tentando aos poucos chegar ao ponto ideal, que é simplificar ao máximo as disputas e reduzir as categorias a um mínimo desejável’’, disse Rubens Gatti, vice-presidente da Federação. A Turismo e a Speed 1.600 serão disputadas em duas baterias cada e a Endurance em uma hora de duração. O sistema de pontuação irá premiar os dez primeiros, com a seguinte pontuação: 20, 15, 12, 10, 8, 6, 4, 3, 2 e 1, mais dois pontos de bonificação. A temporada-2000 do Paranaense terá nove etapas: hoje, Londrina; 16/4, Pinhais; 14/5, Cascavel; 25/6, Pinhais; 30/7, Londrina; 20/8, Cascavel; 17/9, Londrina; 8/10, Cascavel; e 12/11, Pinhais. Tempo quente – Enquanto as disputas dentro da pista nem começaram, fora dela as coisas estão quentes. Está prevista para hoje uma manifestação contra o presidente da Federação, Luis Gehring. O Automóvel Clube de Londrina quer a prestação de contas por parte da entidade, alegando que a mesma há três anos não o faz, além de aumentar as taxas sem consultar os filiados. Gehring rebateu as acusações e disse que não presta contas há dois anos porque somente agora o Conselho Fiscal fez este pedido. Gehring disse ainda que reajustou as taxas porque as mesmas estavam defasadas, e que a federação, que preside desde 1990, atualmente é a mais organizada do Brasil. Segundo ele, o Paraná tinha apenas um autódromo (Cascavel) e hoje possui mais dois (Londrina e Pinhais). O Automóvel Clube de Londrina, através do seu presidente José Augusto Rapcham, pretende insistir na prestação de contas da Federação e, em um comunicado enviado à imprensa ontem, disse que ‘‘é um absurdo a Federação não fazer anualmente a prestação de contas alegando que o Conselho Fiscal não fez o pedido’’. Mais adiante, Rapcham observa que se Luis Gehring prestar hoje estas contas no autódromo, toda esta polêmica estará encerrada.