São Paulo, 9 (AE) - Torcer pelo Raja Casablanca contra o Real Madrid, esquecer o cansaço acumulado após 87 partidas em uma temporada e marcar o maior número de gols possível diante da equipe árabe do Al Nassr, hoje às 21h15, no Morumbi. Este é o plano de trabalho do time do Corinthians para alcançar a classificação para a final do 1.º Campeonato Mundial de Clubes. "A pressão psicológica será muito grande", previu o técnico Oswaldo de Oliveira, que admite alterar a equipe, caso o Real Madrid consiga uma goleada diante do Raja Casablanca, de Marrocos.
Por exemplo: se o time espanhol, que lidera a classificação do Grupo A (marcou cinco gols na competição, enquanto o Corinthians fez quatro), obter um placar de 5 a 0, o Corinthians vai precisar marcar 6 a 0. Neste caso, para ganhar maior agressividade, o mais certo é que Fernando Baiano deverá ficar com a vaga do lateral-direito Índio. "Tudo vai depender do primeiro jogo", despistou Oswaldo.
Depois de dois dias de descanso, quando os titulares foram pouco exigidos nos treinamentos, a palavra de ordem no elenco era esquecer o cansaço. "Para ganhar um Mundial temos de superar todos os problemas", disse o volante Vampeta, que deve despedir-se da equipe após a competição. Ele terá seu passe negociado com a Fiorentina por US$ 15 milhões.
"Teremos nossas férias a partir de sábado; até lá é momento de buscar energias e conseguir mais esta conquista para o clube", disse o meia Ricardinho, referindo-se às três semanas que os titulares terão de descanso antes do início da preparação para a disputa da Taça Libertadores, dia 17 de fevereiro, contra o América, do México, no Estádio Azteca. Os reservas terão a missão de representar a equipe na disputa do Torneio-Rio São Paulo. O Corinthians estréia nesta competição dia 23, contra o Fluminense.
Jogo duro - Oswaldo de Oliveira prevê dificuldades diante do Al Nassr. "Os árabes são tão fanáticos pelo futebol quanto nós; é bom lembrar que um resultado positivo para eles pode levá-los a disputa de um terceiro lugar e isto torna-se um fator motivante muito grande", disse o treinador corintiano.
O volante Rincón também acredita em uma classificação "suada". "Por tradição, tudo para o Corinthians é difícil; o título brasileiro contra o Atlético foi um sufoco", lembrou o colombiano. "Agora, não será diferente; mas vamos ganhar a vaga para a final." O atacante Edílson concordou com o companheiro e prevê problemas, caso o Corinthians precise golear o Al-Nassr. "Entrar em campo sabendo que é preciso golear um adversário causa uma pressão muito grande na equipe." Caso o Corinthians se classifique para a final, a delegação deverá viajar na terça-feira à tarde para o Rio, onde ficará concentrada para a decisão marcada para sexta-feira. FICHA TÉCNICA Corinthians - Dida; Índio (Fernando Baiano), Fábio Luciano, João Carlos e Kléber; Vampeta, Rincón, Marcelinho e Ricardinho; Edílson e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira.