Imagem ilustrativa da imagem SELEÇÃO<br>Tá sentindo a pressão



Thiago Silva caminhou com Luiz Felipe Scolari no campo do Mineirão, vazio, na sexta. Tentou aliviar a tensão, que o persegue desde dos dias anteriores à estreia, como sua própria mãe já contou ao L!. Na sexta, dia de decisão, com casa cheia, foi difícil segurar a pressão, que foi ao limite com as cobranças de pênaltis. O capitão Thiago pediu para ser o último a bater (depois de Julio Cesar) e chamou a atenção de todos no Mineirão por afastar-se do grupo na roda que antecedeu as penalidades.
A reação surpreendeu torcedores, ex-jogadores e até um ex-capitão, Carlos Alberto Torres, que ergueu a taça em 1970. Thiago Silva usou as redes sociais ontem para responder críticas e dizer que isolou-se, sentado numa bola, para uma oração. O capitão chorava no sábado. Poucos entenderam.
- Gostaria de ver o pessoal mais para cima, inclusive o Thiago. É uma critica no bom sentido. Ele tinha de estar no meio do campo gritando, não ficar para baixo. Ele é o capitão - afirmou Carlos Alberto.
Vários atletas "desabaram" com a vitória nos penais no Mineirão. A questão emocional é vista como preocupante por Felipão, que tem a psicóloga Regina Brandão trabalhando com o grupo desde 26 de maio. E o técnico reconhece:
- A equipe é nova. Mesmo os mais experientes sentem em uma Copa do Mundo. Se disser que não sente está mentido. É um emocional diferente - afirmou Scolari.
As lágrimas já apareceram até em Neymar, que mostra frieza em campo, como artilheiro do time (quatro gols) e dois penais convertidos: na estreia e nas disputas decisivas contra os chilenos. Quem já viveu o vestiário da Seleção, no entanto, tem ficado incomodado com as reações de Thiago Silva e dos demais jogadores brasileiros.
- Como ex-jogador, entendo um pouquinho das reações dos atletas e posso dizer que essa Seleção está abalada emocionalmente. Não é normal ver esse tipo de reação em diversos jogadores e a todo momento - disse Ricardo Rocha, ex-zagueiro, que se machucou na partida de estreia na Copa de 1994.
- Foi um nível de tensão muito alto, mas isso pode nos fortalecer - disse Fernandinho, à TV Globo