Rio - O técnico Dunga convocou nesta quarta-feira a seleção brasileira para os dois próximos compromissos e manteve a base da lista anterior, quando fez os amistosos contra Colômbia e Equador, que marcaram seu retorno ao cargo. Assim, o grupo de 22 nomes não teve grandes novidades na relação para os jogos com Argentina e Japão, que serão disputados no próximo mês, na Ásia, exceto pela presença dos laterais Mário Fernandes, do CSKA Moscou, e Dodô, da Inter de Milão, chamados pela primeira vez.
De volta à seleção após o fracasso com Felipão na última Copa, Dunga reestreou com vitórias por 1 a 0 sobre Colômbia e Equador, ambas nos Estados Unidos. Nesses compromissos, o treinador realizou uma renovação gradual da equipe, chamando jogadores que participaram do Mundial deste ano, mas também outros sem tanta experiência internacional. E foi exatamente isso o que ele repetiu dessa vez.
A nova lista apresentou apenas duas novidades, ambas nas laterais. Mário Fernandes ocupa vaga que na relação anterior foi de Maicon, jogador que acabou sendo cortado por indisciplina. Curiosamente, o mesmo Mário Fernandes recusou uma convocação para o Superclássico das Américas de 2011, quando ainda defendia o Grêmio e Mano Menezes estava no comando. Agora, ele ganha uma nova chance na seleção.
"Ele era muito jovem. Só que todos nós temos uma segunda oportunidade. Não podemos crucificar ninguém. Imagina se pelos teus erros nós vamos te crucificar, ou pelos meus erros do passado. Todo mundo tem sua segunda oportunidade, principalmente jogadores que saem de casa muitos novos", disse Dunga, ao justificar a convocação de Mário Fernandes. "Tem uma boa marcação, apoia muito bem, com segurança."
Na lateral esquerda, a novidade é Dodô, que foi chamado para ser reserva de Filipe Luís. Na lista anterior, esse posto era ocupado por Alex Sandro, mas ele foi cortado por contusão e deu lugar para Marcelo, titular durante a Copa e reserva sob o comando de Dunga. "É um lateral com características mais ofensivas, que também passou pelas categorias de base da seleção", elogiou o técnico.

DESFALQUES
Na lista divulgada nesta quarta-feira no Rio, Dunga manteve os sete jogadores de clubes brasileiros que já tinha chamado na convocação anterior - Robinho, Jefferson, Everton Ribeiro, Ricardo Goulart, Elias, Gil e Diego Tardelli. Assim, vão desfalcar Santos, Botafogo, Cruzeiro, Corinthians e Atlético-MG em duas rodadas do Brasileirão e, principalmente, nos jogos de volta das quartas de final da Copa do Brasil.
A partida do Brasil contra a Argentina, que vale o Superclássico das Américas, será em 11 de outubro, no Estádio Ninho de Pássaro, em Pequim, na China. E o amistoso com o Japão está marcado para acontecer três dias depois, em Cingapura. Os clubes brasileiros chegaram a fazer um apelo à CBF para evitar a convocação de seus jogadores nesse período, por ser fase decisiva nos campeonatos. Mas Dunga preferiu ignorar os pedidos.
"Pensamos, sim (nessa questão), e entendemos a situação dos clubes brasileiros. Mas temos que pensar na seleção", explicou Dunga, repetindo uma frase que tem se tornado quase um mantra desde que voltou ao cargo. "Se nós abrirmos exceções, em todas as convocações vamos ter que abrir mão de alguém", avisou. Presente na entrevista, o presidente da CBF, José Maria Marin, agradeceu a "compreensão e colaboração" dos envolvidos.

AJUDA
Também nesta quarta-feira, o coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi, revelou que o ex-ponta Edu, que fez história no Santos e foi tricampeão mundial em 1970, será o auxiliar "pontual" da comissão técnica nos duelos com Argentina e Japão - antes, o cargo foi ocupado pelo ex-volante Mauro Silva. Ele também disse que a seleção passará a ter um "mobilizador de grupo": Evandro Motta, que fez esse trabalho em 1994 e 1998.

Imagem ilustrativa da imagem Seleção brasileira tem novidades nas laterais