Seleção americana de baquete joga no Brasil, sem TV8/Mar, 18:05 Por Heleni Felippe São Paulo, 08 (AE) - A seleção dos Estados Unidos, atual campeã olímpica e mundial, que vem ao Brasil completa, formada por suas principais atletas - como Teresa Edwards, Lisa Leslie, Cyntia Cooper e Ruthie Bolton - terá de ficar longe da televisão. O primeiro amistoso da seleção brasileira, iniciando a temporada olímpica, seria contra as norte-americanas, no domingo. Mas as jogadoras dos Estados Unidos têm contrato de exclusividade com as redes NBC e ESPN, que mostram a WNBA, e foram impedidas de aparecer na Globo. Assim, o primeiro amistoso do Brasil será contra Cuba, domingo, às 9h30, no Ginásio do Bolão, com tevê. Paula, que se despediu das quadras, será homenageada antes da partida. Os Estados Unidos farão um amistoso, na segunda-feira, contra um combinado paulista, em Santo André. O time será comandado pela técnica Laís Elena Aranha, da Arcor/Santo André, e formado por jogadoras brasileiras que não estão na seleção e estrangeiras que atuam no País. O Brasil só enfrentará as norte-americanas no Rio, sem tevê, dia 18, às 15 horas, no Ginásio do Tijuca. Brasil e Cuba, dia 17, às 18h30, no Maracanãzinho terá Globosat/SporTV). Já Cuba e Estados Unidos, dia 16, às 20 horas, no Tijuca, não terá transmissão pela televisão. Segundo a Confederação Brasileira de Basquete (CBB), a USA Basketball e a própria técnica americana Nell Fortner ficaram frustradas com a decisão. O objetivo da treinadora era fazer pelo menos dois amistosos contra o Brasil. ESPECIAL - Um ano que pode ser muito especial "e lucrativo" para a modalidade e para cada jogadora, se o Brasil conquistar medalha no torneio feminino de basquete dos Jogos Olímpicos de Sydney, de 16 a 30 de setembro. Esse será o tom da primeira conversa do técnico Antônio Carlos Barbosa com o grupo de 14 jogadoras, que começa a treinar amanhã, no Ginásio do Bolão, em Jundiaí. "O esporte é uma atividade econômica e vitórias significam oportunidade de promoção para a modalidade e para as pessoas que fazem parte dela", afirmou. "Temos de encarar tudo daqui para frente, com muita seriedade, com todo o pensamento voltado para a Olimpíada", acrescentou. "A atenção da mídia vai estar em Sydney e um bom resultado colocará o basquete feminino em destaque." As novidades no grupo são o retorno da armadora Cíntia Luz, de 28 anos, e a estréia da pivô Geísa, de 20 anos. As atletas mais experientes são Marta e Janeth - que não fará o restante da preparação com a seleção porque logo após o Campeonato Nacional vai jogar na WNBA. Janeth volta ao grupo nos últimos 15 dias de preparação, quando a seleção vai excursionar por Los Angeles e pelo Havaí, antes de ir para a Austrália. Brasil e Cuba voltam a jogar, no Ginásio Cláudio Coutinho, em Palmas, Tocantins, terça-feira. As equipes jogaram duas vezes em 1999, com uma vitória para Cuba, no Pré-Olímpico de Havana (90 a 87), e outra para o Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg (84 a 78).