|
  • Bitcoin 103.061
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 11/06/2022, 10:22

São Paulo volta a ser assombrado por lesões após alívio recente

PUBLICAÇÃO
sábado, 11 de junho de 2022

BRUNNO CARVALHO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAUO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A sequência de três jogos sem nenhum problema médico conseguida pelo São Paulo em abril ficou para trás. Mesmo com menos lesões em comparação à crise do ano passado, Rogério Ceni tem sofrido para montar a equipe por causa dos desfalques. Para o duelo neste domingo (12), às 16h, contra o América-MG, no Morumbi, são seis problemas clínicos.

O caso mais grave é o de Gabriel Sara. O meia sofreu um trauma no tornozelo direito no jogo contra o Jorge Wilstermann no fim de abril, pela Copa Sul-Americana, e precisou ser operado para corrigir uma lesão ligamentar. A expectativa é que ele volte entre agosto e setembro, mas Rogério Ceni diz que espera contar com ele apenas para a próxima temporada.

Além de Sara, o São Paulo não poderá contar com Nikão (dores no tornozelo esquerdo), Talles Costa (entorse no tornozelo direito), Gabriel Neves (dores na panturrilha), Moreira (entorse no tornozelo esquerdo) e Alisson (entorse no joelho).

A entorse se tornou a principal dor de cabeça para o clube. Mesmo com os exercícios feitos para prevenção e as bandagens usadas pelos atletas durante as partidas para evitar torções, a lesão foi responsável por três dos seis problemas clínicos do São Paulo. Talles Costa e Alisson se machucaram por pancadas sofridas contra Ayacucho e Avaí, respectivamente. No caso de Moreira, a questão física surgiu após um lance durante um treino no CT da Barra Funda. Antes de sofrer a lesão que resultou na cirurgia, Gabriel Sara já havia tratado uma entorse no mesmo local.

Uma entorse acontece quando o atleta vira o tornozelo de fora para dentro ou faz um movimento que excede o limite suportável pelos ligamentos do joelho. Isso faz com que haja algum tipo de estiramento ou, até mesmo, uma ruptura. A gravidade da lesão costuma ser dividida em três graus e a duração do tratamento varia. O São Paulo evita dar prazo de retorno para os atletas que estão no departamento médico.

"Essas lesões costumam causar muito inchaço e incapacitam a pessoa de caminhar e apoiar o pé no chão por uns dias. O tratamento tem um sucesso relativamente bom se for um tratamento seguido à risca. Há a preocupação de não antecipar o retorno dos atletas para o esporte, porque senão esses ligamentos não cicatrizam", explica Ivan Pacheco, médico do esporte e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE).

De acordo com ele, a recuperação de lesões como esta pode levar até um mês e meio, mesmo com o atleta não sentindo mais dores no local. "A dor não é parâmetro para o retorno ao esporte porque elas passam em cinco ou seis dias. Se não for feito esse tratamento completo, a pessoa vai ter esse ligamento rompido de forma crônica, ele não vai cicatrizar e vai ser aquela pessoa que vai torcer o tornozelo toda hora em qualquer piso irregular", prossegue.

As lesões têm dificultado a vida de Rogério Ceni para montar o meio de campo do São Paulo. Alisson e Gabriel Sara disputavam a posição aberta pela esquerda e eram vistos como jogadores que ajudavam a dar velocidade à construção de jogada do time. Sem eles, o treinador tem apenas Patrick para a função, mas com uma característica de mais controle de bola.

"Não tenho o Igor [Gomes, suspenso] para o próximo jogo, não tenho Alisson para o próximo jogo, não tenho o Talles para o próximo jogo, não tenho o Sara para o resto da temporada, não tenho o Nikão, não tem nada. Nós temos que... quando tem a oportunidade de ganhar, ganha! Porque vão ter jogos que realmente vamos sofrer e nós não temos a fartura que outros têm. Quando tem a oportunidade, ganha o jogo", disse Rogério Ceni, depois do empate contra o Coritiba na quinta-feira (9), quando o São Paulo saiu na frente, mas não segurou a vitória.

O São Paulo não perde há 14 jogos, mas vem de quatro empates seguidos no Brasileirão. Contra o América-MG, os comandados de Rogério Ceni terão mais uma chance de tentar se aproximarem do líder Palmeiras -a distância está em quatro pontos.

O rival, atualmente, não conta com lesões ou suspensão em seu time. Com essa vantagem em conta, o técnico Mancini deve usar o que tem de melhor entre os seus atletas em busca da vitória sobre o São Paulo. Na tabela, o clube mineiro se encontra na nona posição, com 14 pontos, e pode chegar ao G6 do Brasileiro caso vença o seu confronto.

Estádio: Morumbi, em São Paulo

Horário: 16h deste domingo (12)

Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)

Transmissão: Premiere, TV Aberta (Globo) e SporTV