|
  • Bitcoin 119.370
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 16/07/2022, 10:40

São Paulo reencontra Diniz com resgatados pelo técnico em alta no Morumbi

PUBLICAÇÃO
sábado, 16 de julho de 2022

THIAGO BRAGA
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Passada a euforia pela classificação às quartas de final da Copa do Brasil, o São Paulo agora volta suas atenções para o Campeonato Brasileiro. Neste domingo (17), o Tricolor recebe o Fluminense, às 16h (de Brasília), no Morumbi. E o time vai reencontrar um componente importante na montagem do elenco comandado por Rogério Ceni.

Fernando Diniz chegou ao Tricolor em setembro de 2019 e foi demitido em fevereiro de 2021. Sob o comando do treinador, o São Paulo viu de perto a possibilidade de sair da fila de títulos, o que só aconteceria com Hernán Crespo, sucessor de Diniz.

Nos melhores momentos, o "Dinizismo" virou febre, empolgou torcedores e calou os críticos. E tudo por conta da ousadia do treinador, que constantemente era visto gritando "vamos jogar" para seus jogadores na beira do gramado.

A saída de bola diretamente com o goleiro é um dos pontos em que a atuação de Diniz tem marca registrada. Ele pedia para que Tiago Volpi e os zagueiros do São Paulo tivessem iniciativa para iniciar a construção de jogo desde o campo de defesa, a poucos metros do próprio gol. O risco, calculado, serve para atrair o adversário, forçando o desencaixe na marcação, abrindo espaços e criando oportunidades para marcar chegar à área adversária.

Para conseguir desenvolver o trabalho, Diniz teve a competência para enxergar talento escondido nos mais diversos cantos.

Sem dinheiro para gastar com contratações, e com a pandemia que assolou o mundo diminuindo as receitas do clube, o São Paulo entrou em um período ainda maior de contenção das despesas. A única contratação que Diniz teve enquanto esteve no São Paulo foi a chegada do atacante Luciano, trocado por Everton, que foi para o Grêmio.

Outro homem de confiança de Diniz, o volante Tchê Tchê, seria peça fundamental da equipe, e teve papel preponderante para a derrocada do time no Brasileiro de 2021.

Para implantar seu sistema de jogo, Diniz precisava de um time com jogadores rápidos e ágeis. O caminho encontrado foi recorrer às categorias de base do Tricolor. Ele pediu o retorno de Brenner, que acabou formando uma dupla de ataque letal com Luciano.

Além disso, potencializou alguns jovens, como Antony, Igor Gomes e Gabriel Sara. Também promoveu mudanças táticas, como escalar o lateral esquerdo Léo Pelé como zagueiro pela esquerda, criando mais uma alternativa para desafogar a saída de bola do time.

"Nós temos o Fluminense, que para mim, não pela posição que ocupa, mas você pega o time do Fluminense hoje, primeiro que tem um ótimo treinador. Vejo o meio de campo, André, Martinelli, Ganso... São várias opções. Nós temos hoje [para o meio de campo] Pablo Maia e Gabriel Neves. Há muito tempo temos Pablo e Neves. Em muitos jogos, ou Pablo ou Neves. O Fluminense tem muitas opções e tem um grande treinador", admitiu Rogério Ceni, projetando o duelo deste domingo.

Retorno financeiro

Mas o legado de Diniz vai além dos aspectos técnicos e táticos. O aumento de rendimento de algumas joias da base fez com que as propostas pelas revelações de Cotia começassem a chegar.

Gabriel Sara, que por muitas vezes foi ridicularizado por torcedores que prometiam virar astronautas se o meia vingasse, é o caso mais recente. Diniz deu ao camisa 21 a confiança necessária para 'explodir'. De tímido a um dos grandes jogadores do elenco, com gols e assistências, Sara deixou o São Paulo e rumou para Inglaterra, onde vai defender o Norwich. Sua transferência foi acertada por 9,5 milhões de libras (aproximadamente R$ 61 milhões).

Antes dele, outro que parecia não ter solução era Brenner. Revelado em 2017, o talentoso atacante não conseguia sequência e parecia desinteressado. Depois de treiná-lo enquanto esteve no Fluminense, Diniz pediu para que o São Paulo o trouxesse de volta. A aposta se mostrou acertada. Brenner formou com Luciano uma dupla que tinha como característica a movimentação constante, o que transformou os dois jogadores em goleadores na temporada. O resultado financeiro apareceu quando o Tricolor negociou Brenner com o Cincinnati FC, dos Estados Unidos, por US$ 13 milhões (R$ 70 milhões).

"Gosto de trabalhar com a base, e esse é um clube que precisa formar jogadores. Um clube que tem muitos juros para pagar e cada venda da base paga os juros", afirmou Ceni, depois do jogo com o Palmeiras.

Embora o trabalho de Diniz tenha acabado sem títulos no São Paulo, que foi eliminado na semifinal da Copa do Brasil pelo Grêmio, e deu adeus ao Brasileirão, mesmo tendo ficado sete pontos à frente do segundo colocado, o time apresentou um futebol agradável e competitivo na maior parte da passagem do técnico no Morumbi.

As vitórias em sequência sobre o Flamengo, algumas delas quando Ceni comandava o Rubro-Negro, ficaram marcadas. Assim como as eliminações para o Mirassol, no Paulista, e Lanús, na Sul-Americana. A discussão pública com Tchê Tchê também. Por ter passado do ponto, Diniz teve de vir a público se desculpar com o volante, então no Tricolor.

Mas o momento no Fluminense é outro. No comando do tricolor carioca desde maio, conquistou 12 vitórias em 18 jogos. O Fluminense não perde há sete jogos, sendo seis vitórias consecutivas.

Estádio: Morumbi, em São Paulo

Horário: 16h deste domingo (17)

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)

Transmissão: TV Aberta (Rede Globo), Premiere e internet