|
  • Bitcoin 119.487
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 26/06/2022, 20:38

São Paulo poupa titulares, empata com Juventude e vê o G4 mais longe

PUBLICAÇÃO
domingo, 26 de junho de 2022

BRUNNO CARVALHO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Uma tarde fria na capital paulista representou o empate sem gols entre São Paulo e Juventude, neste domingo (26), no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Poupando alguns de seus titulares por causa do desgaste físico, a equipe de Rogério Ceni mostrou dificuldade para concluir as jogadas criadas e agora vê os líderes da competição ainda mais distantes.

image description image description
image description |  Foto: Folha Arte
 

O empate dentro de casa fez com que o São Paulo chegasse aos 19 pontos, na oitava colocação. A diferença para o Internacional, primeiro time dentro da zona de classificação direta para a Libertadores, é de cinco pontos. Nos últimos oito jogos, a equipe de Rogério Ceni venceu apenas um.

Para o jogo deste domingo, Rogério Ceni deixou no banco de reservas Jonathan Calleri, Rodrigo Nestor, Igor Vinícius, Diego Costa e Reinaldo, todos titulares nas duas partidas contra o Palmeiras. Apenas o lateral-esquerda não entrou no segundo tempo do empate com o Juventude.

A equipe gaúcha se mantém em situação de desespero, mas volta para casa com um ponto na bagagem na estreia do técnico Umberto Louzer. O Juventude está na vice-lanterna da competição, com 11 pontos, quatro a menos que o América-MG, primeiro time fora da zona de rebaixamento.

O seguido número de jogos fez com que Rogério Ceni começasse a partida com Calleri no banco de reservas. A ausência do artilheiro do Campeonato Brasileiro deixou o São Paulo com dificuldades para concluir a alta quantidade de chances criadas no primeiro tempo.

O São Paulo conseguia construir pelas laterais, mas faltava alguém dentro da área para completar para o gol. Eder até tentava, e chegou a arriscar três cabeçadas em direção ao gol de César, mas nenhuma com perigo.

Os demais atacantes escalados por Ceni também se apresentaram abaixo do esperado no primeiro tempo. Vindo de nove jogos sem marcar, Luciano se mostrou ansioso na primeira etapa e errou a tomada de decisão em duas jogadas chaves. Na primeira, tentou o chute em vez de tocar para Eder, que invidia a área livre da marcação. Pouco tempo depois, Rigoni foi quem apareceu livre e, mais uma vez, Luciano preferiu a finalização, parando na defesa gaúcha.

A fraca eficiência no primeiro tempo fez com que Rogério Ceni voltasse para a segunda etapa com duas alterações. Poupados, Jonathan Calleri e Rodrigo Nestor entraram nas vagas de Eder e Patrick, respectivamente. Aos 15 minutos, o terceiro poupado também entrou. Rafinha, que cometeu muitos erros ao longo do jogo, saiu para a entrada de Diego Costa.

A última mudança fez com que o São Paulo mudasse a maneira de jogar. Inicialmente em um 4-1-3-2, a equipe de Rogério Ceni passou a atuar em um 3-5-2, com Rigoni ocupando a ala-direita.

As trocas mantiveram o São Paulo com o controle do jogo e fizeram com que a equipe começasse a incomodar mais o rival. Em resposta, o Juventude passou a valorizar o tempo e tentar a vitória nos contra-ataques.

Rogério Ceni mexeu no ataque na tentativa de fazer com que o aproveitamento nas finalizações melhorasse. Mas foi com um zagueiro que a melhor chance do São Paulo na partida apareceu. Aos 19 minutos, Calleri ganhou a disputa de cabeça após escanteio e a bola caiu no pé de Miranda, livre, na pequena área. O camisa 22 chutou à direita do gol de César.

A má fase de Rigoni parece incomodar o torcedor do São Paulo cada vez mais. Sem marcar desde 19 de março, o argentino fez mais uma partida apagada e foi substituído no segundo tempo por André Anderson. Na saída do gramado, o camisa 7 ouviu vaias da torcida.

Na primeira partida sob o comando de Umberto Louzer, o Juventude adotou uma estratégia de esperar o São Paulo atacar para tentar responder em velocidade. A tática havia dado certo no primeiro jogo entre eles, em Caxias do Sul, pela Copa do Brasil, mas se mostrou pouco efetiva neste domingo no Morumbi. Jandrei deixou a partida sem ter feito nenhuma grande defesa.

SÃO PAULO

Jandrei; Rafinha (Diego Costa, 12/2), Léo, Miranda e Welington; Igor Gomes, Pablo Maia e Patrick (Rodrigo Nestor, intervalo); Rigoni (André Anderson 34/2), Éder (Calleri, intervalo) e Luciano (Igor Vinícius 23/2). T.: Rogério Ceni

JUVENTUDE

César; Rodrigo Soares, Thalisson, Rafael Forster e Moraes; Yuri (Jean (42/2), Jadson, Capixaba (Guilherme Parede 23/2), Oscar Ruiz (Edinho 23/2), Chico (Paulo Henrique 49/2); Ricardo Bueno. T.: Umberto Louzer

Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP)

Público: 20.466 pagantes

Renda: R$ 780.806,00

​Árbitro: André Luiz de Freitas Castro (GO)

Auxiliares: Bruno Raphael Pires e Fabricio Vilarinho da Silva (ambos da Fifa-GO)

VAR: Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN)

Cartões amarelos: Patrick e Rodrigo Nestor (SAO); Capixaba, Vitor Mendes e Jadson (JUV)