Santos, 20 (AE) - A última peça do novo time do Santos está chegando à Vila Belmiro. É Valdir, o centroavante do tipo matador pedido pelo técnico Carlos Alberto Silva e contratado neste final de semana, faltando apenas o anúncio oficial. Com as oito contratações realizadas até o momento, a equipe titular mudou radicalmente em relação à que disputou o Campeonato Brasileiro do ano passado, sobrando apenas o lateral-direito Michel e o atacante Dodô. "O time-base está praticamente completo", confirmou Silva, "e agora temos de fazer com que as peças se encaixem para que o Santos adquira o padrão de jogo ideal e se torne um time competitivo".
Com a chegada do novo atacante, Carlos Alberto Silva dará a cara definitiva ao time, que deverá ter a seguinte formação: Carlos Germano; Michel, Galván, Márcio Santos e Rubens Cardoso; Anderson, Rincón, Caio e Robert; Dodô e Valdir. Poderá haver uma mudança no meio-de-campo, pois o treinador faz testes com Rincón atuando mais avançado. Nesse caso, a dupla de volantes poderá ser formada com Anderson e Baiano ou Claudiomiro, ficando mais à frente Caio ou Robert, na função de quarto homem do setor. Outra alternativa seria deslocar Baiano para a lateral-direita, no lugar de Michel.
As novas contratações permitem que o Santos tenha um banco de nível melhor do que nas últimas competições, com jogadores como o goleiro Nei, o lateral Dutra, o zagueiro Jean, o volante Claudiomiro e outros. Isso faz parte dos planos de Carlos Alberto Silva, preocupado com o regulamento do Paulista, que pune com suspensão automática o jogador que levar dois cartões amarelos.
O ATAQUE - Não será a primeira vez que Valdir e Dodô se encontram num mesmo time. Em 97, os dois atuavam pelo São Paulo, quando Dodô estava em ascensão e ficou com a vaga de Valdir, que deixou o Morumbi, inconformado com a reserva. No Santos, porém, há vaga para os dois. "O Valdir joga mais enfiado na área, enquanto minha característica é a de buscar jogo, vindo de trás com a bola dominada.", disse Dodô. Sobre o tempo que ficaram juntos no São Paulo, o atacante só tem boas lembranças de Valdir. "Ele conversava muito comigo e me passou muita coisa boa", disse, lembrado dos tempos em que estava no início de carreira.
Valdir deverá estar amanhã em Belo Horizonte, cuidando da rescisão de seu contrato com o Atlético e chegará depois de amanhã ou na quarta-feira na Vila Belmiro para realizar os exames médicos de rotina e ser apresentado. Seu contrato será por dois anos, renovável por mais três, e o passe custou R$ 600 mil.