Brasileiro da Ferrari visita o autódromo e, sem Schumacher por perto, atrai toda a atenção; carros passam por vistoria hoje
France PresseEM CASABarrichello dá autógrafos em Interlagos: brasileiro prevê duelo com as McLaren na corrida do próximo domingo


Agências Estado e Folha
De São Paulo


Oficialmente, o 29º GP do Brasil de Fórmula 1 começa hoje, em Interlagos, com a vistoria dos 22 carros que irão participar da prova, a segunda do Mundial. Ontem, vários pilotos visitaram o autódromo, dentre eles dois brasileiros: Rubens Barrichello e Pedro Paulo Diniz. Enquanto o comissário técnico da F-1, o alemão Jo Bauer, inspecionará hoje, um a um, os carros que começam a disputar o GP do Brasil, os funcionários contratados pela Prefeitura de São Paulo ainda estarão dando os últimos acabamentos na reforma do circuito.
O assédio a Barrichello ontem no autódromo foi uma prévia do que deve acontecer de hoje até domingo. Já foi decidido que a segurança no autódromo será reforçada em relação ao GP do ano passado. Sem o alemão Michael Schumacher, bicampeão mundial da categoria e piloto número um da equipe italiana, por perto, Barrichello reinou absoluto nos boxes ontem à tarde. Ele chegou a Interlagos por volta das 15 horas, cumprimentou os pilotos, deu uma rápida olhada nos trabalhos de montagem dos três carros da Ferrari e continuou com os compromissos promocionais.
Enquanto uma certa euforia tomava conta dos boxes da equipe italiana, a McLaren trabalhava em silêncio temendo um vazamento de informações estratégicas, já que as duas equipes são vizinhas de boxes em Interlagos. Barrichello afirmou não ter dúvidas de que os carros da McLaren deverão ser mesmo os grandes rivais da Ferrari no domingo. ‘‘A McLaren é sempre muito forte, não será diferente no Brasil’’, disse. O carro do piloto brasileiro poderá sofrer alguns ajustes na parte de suspensão em relação ao GP de Melbourne, o primeiro desta temporada.
Enquanto o clima em Interlagos vai esquentando, todos os pilotos estão curiosos com o que vai acontecer depois das mudanças – principalmente no asfalto – realizadas no autódromo. ‘‘Um traçado como o de Interlagos merecia as obras que foram realizadas’’, comentou Jean Alesi. Jarno Trulli, da Jordan, também falou das melhorias: ‘‘Ficou melhor, mas prefiro esperar o treino de sexta-feira antes de afirmar qualquer coisa’’.
O movimento de pilotos no hotel onde a maioria está hospedada ainda é muito reduzido. Poucos descem para o lobby, preferindo ficar nos quartos. A presença da imprensa estrangeira e de fãs também não é intensa. Durante a manhã e a tarde de ontem, o finlandês Mika Salo, companheiro de Pedro Paulo Diniz na Sauber, e o brasileiro Ricardo Zonta, da BAR, foram os únicos a aparecer. O primeiro para ir a um shopping e o segundo para conceder uma entrevista coletiva.
O alemão Michael Schumacher, vencedor do primeiro GP do ano, na Austrália, permaneceu o tempo todo em seu quarto. Seu companheiro da Ferrari, o brasileiro Rubens Barrichello, segundo colocado em Melbourne, não está hospedado no hotel – preferiu ficar em sua própria casa. Mika Hakkinen e David Coulthard, ambos da McLaren, estão hospedados em outro local. Segundo funcionários do hotel, os pilotos e os integrantes das escuderias saem à noite, alguns para boates e outros para churrascarias.
Zonta aniversaria – O paranaense Ricardo Zonta completa 24 anos hoje, mas ontem o piloto já soprou as velas de um bolo fornecido por um dos seus patrocinadores. ‘‘Estou completando ‘23-B’, porque falar que tem 24, aqui no Brasil, pode ser perigoso’’, brincou o piloto. ‘‘O presente que eu quero ganhar é terminar a corrida com um pódio ou, pelo menos, com mais um ponto conquistado.’’ Ele acredita que a partir da corrida da Inglaterra, dia 26 de abril, quando a Sauber terá o novo motor da Honda, os seus resultados deverão melhorar.