|
  • Bitcoin 125.301
  • Dólar 5,1554
  • Euro 5,3189
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 12/07/2022, 15:27

Retranca virou solução para Corinthians de Vítor Pereira sobreviver a lesões e calendário apertado

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 12 de julho de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Após vencer o Flamengo por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro, o Corinthians vira a chave e se prepara para enfrentar o Santos nesta quarta-feira (13), na Vila Belmiro, em Santos (SP), em jogo de volta das oitavas da Copa do Brasil -o elenco corintiano venceu a partida de ida por 4 a 0. Para garantir a vitória, o técnico Vítor Pereira deve manter o estilo mais defensivo que tem auxiliado o time alvinegro nas últimas disputas.

O técnico tem sido obrigado a se adaptar às necessidades em seus meses de Corinthians. Pereira chegou prometendo jogo de posse de bola e marcação no campo de ataque, recalculou a rota por causa do calendário apertado e encontrou na "retranca" a melhor forma de fazer o time sobreviver à sequência de desfalques por lesão.

O discurso na chegada era claro: Pereira queria o Corinthians controlando o jogo a partir da posse de bola e da pressão logo depois da perda. Ele foi específico sobre isso já na primeira resposta que deu como treinador alvinegro, em sua coletiva de apresentação, mas hoje se vê obrigado a se adaptar à realidade. As circunstâncias têm mudado o jeito de jogar do time.

O maior exemplo do jogo recuado foi a classificação às quartas da Libertadores obtida diante do Boca Juniors, após 90 minutos de atuação exclusivamente defensiva na Bombonera. No último domingo (10), no segundo tempo contra o Flamengo, Vítor Pereira de novo recuou o time em uma linha de cinco defensores para que assim parasse de sofrer. Deu certo. O ajuste manteve o Corinthians vivo no torneio continental e na vice-liderança do Campeonato Brasileiro.

Este modelo de jogar sem a bola ganha força em uma situação de emergência. Considerando os últimos dez jogos, por exemplo, quase todos os atletas tidos como titulares do Corinthians foram (ou ainda são) desfalques por lesões —as exceções são Cássio e Róger Guedes. A maioria dos problemas é por contusões musculares.

As lesões por sobrecarga são uma preocupação do técnico desde o seu primeiro dia no Corinthians. Ele falou várias vezes sobre a necessidade de adaptar o modelo que tinha em mente às características dos jogadores que têm em mãos, e a capacidade física de um elenco cheio de jogadores veteranos era (e ainda é) um fator relevante. Esta limitação foi enfrentada com o rodízio e o rejuvenescimento da equipe com os chamados "miúdos", os muitos atletas da base que ganharam espaço com o treinador português. Nem assim os problemas médicos foram resolvidos, o que continuou obrigando Vítor Pereira a adaptar seu plano original. É um ciclo.

Em sua última coletiva, o técnico tratou o modelo mais recuado como "maturidade tática" e não fez segredo: cansaço e modelo de jogo viraram causa e consequência no momento mais duro da temporada alvinegra. "Não dá para pressionar sempre no campo todo porque, do ponto de vista físico, não temos essa disponibilidade", admite o treinador, que agora valoriza o controle do jogo "mesmo quando não tem a bola".

O estilo tem sido abraçado pelo elenco e também pela torcida, já acostumada a modelos mais defensivos desde a sequência de títulos recentes, com Fábio Carille. A boa fase tem tudo para ser ampliada na Vila Belmiro.

Para a partida, Vítor Pereira tem como desfalques Fagner, Maycon e Renato Augusto, que ainda tratam lesões musculares; Willian, que se recupera de uma subluxação no ombro direito; e Paulinho, que só volta em 2023. Júnior Moraes perdeu os últimos dois jogos por causa de uma entorse no tornozelo esquerdo, e Lucas Piton deixou a partida contra o Flamengo sob suspeita de fratura em um dedo do pé. Gustavo Mantuan viaja nesta quarta para Rússia, em empréstimo ao Zenit, e já não joga mais pelo time alvinegro.

Por outro lado, Róger Guedes, que cumpria suspensão na partida de ida, está à disposição. Uma possível escalação inicial do Corinthians tem: Cássio; Rafael Ramos, Gil (Bruno Méndez), Raul e Fábio Santos; Cantillo (Roni), Du Queiroz, Giuliano e Adson; Gustavo Mosquito e Róger Guedes.

AUXILIAR DO SANTOS INDICA TIME DA PARTIDA

O auxiliar e interino Marcelo Fernandes esboçou o time titular do Santos para enfrentar o Corinthians nesta quarta-feira. Na ida, o time litorâneo perdeu por 4 a 0 para o rival.

Na manhã desta terça-feira (12), no CT Rei Pelé, Marcelo levou a campo um time com Camacho e Ângelo entre os titulares. Vinicius Zanocelo, expulso na Neo Química Arena, está fora. Ângelo retorna após cumprir suspensão no Campeonato Brasileiro. Carlos Sánchez trabalhou entre os reservas.

O provável time é: João Paulo, Madson, Maicon, Eduardo Bauermann e Felipe Jonatan; Rodrigo Fernández, Camacho e Léo Baptistão; Ângelo, Lucas Braga e Marcos Leonardo.

O Santos precisa de uma improvável vitória por cinco gols de diferença para avançar às quartas da Copa do Brasil. Se o time praiano derrotar o Corinthians por quatro de saldo, a eliminatória vai para os pênaltis. O elenco corintiano pode perder por até três gols.

Estádio: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Horário: Às 21h30 (de Brasília) desta quarta-feira (13)

Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)

VAR: Vinicius Furlan (SP)

Transmissão: Globo, SporTV e Premiere