São Paulo, 2 (AE) - O Real Madrid vem ao Brasil disposto a ser campeão para esquecer as agruras de 99, o que serviria de motivação para o time reencontrar o rumo a tempo de lutar pela Liga Espanhola - está em 9º lugar, a 13 pontos do líder La Coruña - e pela Copa dos Campeões 1999/2000, que está na segunda fase. "O Mundial é muito importante para nós. Se ganharmos, tenho certeza que começaremos uma fase bem melhor", afirmou o atacante Fernando Morientes (contundido, porém, inscrito na delegação espanhola).
O ano passado é para ser esquecido pelo clube. Depois das glórias de 98 - ganhou a Copa dos Campeões e o Mundial Interclubes, contra o Vasco -, o time mergulhou na decadência. Perdeu a Liga 98/99 para o Barcelona, foi eliminado da Copa dos Campeões pelo Dínamo de Kiev, teve três treinadores (o holandês Guus Hiddink, o galês John Toshack e o atual, Vicente del Bosque) e desceu ao inferno no começo desta temporada, passando oito rodadas sem vencer na Liga e quase quatro meses sem um triunfo no Estádio Santiago Bernabéu - com nove pontos em oito jogos, é o time de pior desempenho em casa na Liga.
E isso depois de o presidente Lorenzo Sanz ter investido quase US$ 90 milhões. A contratação mais cara foi a do jogador que mais decepcionou até agora: o atacante francês Nicolas Anelka, por quem o Real pagou US$ 36 milhões ao Arsenal. Ele chegou a Madri com fama de artilheiro, mas ainda não marcou um mísero golzinho oficial com a camisa branca e por isso tornou-se reserva. Mas ele deve jogar nas primeiras rodadas porque Morientes sofreu um estiramento na coxa no último treino de 99.
A equipe terminou o ano ensaiando uma reação, vencendo suas duas últimas partidas na Liga - contra o Espanyol, em casa, e no País Basco contra o Alavés -, mas o técnico Vicente del Bosque sabe que o Mundial será a prova de fogo para confirmar a recuperação. "Nosso objetivo é nos aclimatarmos o mais rápido possível, para podermos ter mais chance de sucesso." Dois desfalques
O time vem com dois desfalques: o goleiro alemão Bodo Illgner e o zagueiro Júlio César, ambos machucados. O meio-campista holandês Clarence Seedorf foi vendido para a Inter de Milão. A equipe base terá Casillas, Michel Salgado (Geremi), Karembeu, Hierro e Roberto Carlos; Redondo, Guti, McManaman e Sávio; Raúl e Anelka.
Raúl, hábil e imprevisível, é o craque do time e o queridinho dos torcedores e dirigentes. Outro ponto forte é o entrosamento dos brasileiros Roberto Carlos e Sávio pelo lado esquerdo, de onde surge a maior parte dos gols.
O problema que o técnico Vicente del Bosque está tentando arrumar é a defesa, a terceira pior da Liga Espanhola - 29 gols sofridos em 17 rodadas; a pior é a do Atlético de Madrid
que levou 31. O goleiro argentino Albano Bizarri, que tinha herdado a posição por causa da contusão de Illgner, perdeu a vaga.
Considerado o time do século pela imprensa européia, o Real Madrid é o maior ganhador entre os oito participantes do primeiro Mundial de Clubes. Em suas vitrines brilham 27 taças da Liga Espanhola, 17 da Copa do Rei, cinco da Supercopa da Espanha
sete da Copa dos Campeões, duas da Copa da Uefa e duas do Mundial Interclubes. O troféu que estará em jogo dia 14 no Maracanã cairia bem nessa riquíssima coleção.