São Caetano, 9 (AE) - O técnico Radamés Lattari afirma que a programação para a Olimpíada já está pronta. "A convocação para os Jogos deve sair em agosto.". Os jogadores vão retornar a seus clubes para a disputa da Superliga e, depois
o grupo volta a reunir-se para participar da Liga Mundial. "A guerra está apenas começando."
Segundo Lattari, um dos pontos positivos do projeto é que os atletas terão tempo suficiente para preparar-se fisicamente, sem o desgaste de disputar várias competições seguidas. "O importante é que a equipe terá bastante tempo, sem que os jogadores precisem passar pelo desgaste a que têm sido submetidos nos últimos meses, com a disputa, em sequência, da Copa América, do Pan-Americano, da Superliga e do Pré-Olímpico."
O treinador não quis adiantar se fará modificações com relação aos convocados para as últimas competições, mas afirmou que pretende estimular a disputa entre os atletas por uma vaga no time olímpico. "Como já expliquei para os jogadores, isso é bom para eles, que se mantêm motivados, e é bom para a seleção, que terá várias opções para uma mesma posição."
Quanto à volta do levantador Maurício, Radamés não quis assumir compromissos. "Nenhum jogador está excluído dos planos da seleção." Ele afirma que quer evitar fazer a convocação para a Olimpíada com muita antecedência para não cometer injustiças.
Para o atacante Giba, o Brasil deve dar prioridade à preparação psicológica dos jogadores. "Temos de conseguir dosar a emoção e a razão para podermos enfrentar equipes como a Rússia e a Itália, que possuem jogadores muito frios."
Carlão ressalta a preparação física como fator fundamental para um bom desempenho em Sydney, mas a sorte também tem sua parcela de importância. "Seria bom que acontecesse o mesmo que em Barcelona, quando pegamos equipes fortes, mas fomos enfrentando os favoritos gradativamente."