Provável titular, Tailson minimiza derrotas do São Paulo: 'Clássico é diferente'


Agência Estado
Agência Estado

Provável substituto de Soteldo no clássico em que o Santos enfrentará o São Paulo neste sábado, às 17 horas, na Vila Belmiro, na abertura da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, o atacante Tailson minimizou nesta sexta-feira a importância de o rival tricolor disputar este próximo duelo depois de ter acumulado duas derrotas no Morumbi em seus dois confrontos anteriores pela competição nacional.

Em grande fase pela equipe santista, Soteldo será desfalque por estar com a seleção da Venezuela neste período de Datas Fifa do calendário. E o fato abre espaço para que Tailson dispute o seu terceiro clássico pelo time principal do clube, mas o jovem de apenas 20 anos evita exibir qualquer euforia, pois lembrou que ainda não sabe se será escolhido pelo técnico Jorge Sampaoli para começar entre os titulares.



"Ainda não dá para saber se eu vou jogar ou não, pois, como vocês (jornalistas) sabem, o professor sempre deixa para escalar o time no dia. Caso eu não seja titular, temos diversos jogadores qualificados e estaremos bem servidos. O Lucas Venuto é um exemplo. Claro que vou ficar muito feliz se eu estiver no time e vou dar o meu melhor dentro de campo. Se eu tiver oportunidade, vou tentar fazer deixar o meu gol", disse o atacante, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé.

Já ao comentar os últimos resultados negativos amargados pelo time comandado por Fernando Diniz em casa (2 a 0 para o Fluminense e 1 a 0 para o Athletico-PR), Tailson ponderou: "O São Paulo vem de um momento complicado, vem de duras derrotas em casa, mas clássico é totalmente diferente. O time vem para ganhar uma confiança, vamos respeitar totalmente o São Paulo, mas vamos estar jogando dentro de casa e temos de fazer a nossa parte".

Nos outros dois clássicos que disputou pelo Santos, ambos por esta edição do Brasileirão, a promessa da equipe atuou como titular. No primeiro deles, ajudou o time a bater o Palmeiras por 2 a 0, na Vila Belmiro, onde se destacou com dribles que foram depois lembrados com empolgação pelos torcedores nas redes sociais em provocações aos fãs alviverdes. E agora ele aposta que o fator campo possa voltar a fazer a diferença para a sua equipe.

"A torcida brincou um pouco, mas eu apenas fiz o meu trabalho, né? Mas jogar em casa com a torcida nos apoiando é totalmente diferente. Isso ajuda bastante e dá uma energia diferente para a equipe e para o jogador", disse o atleta, que no seu segundo clássico pelo Santos não conseguiu fazer o time passar de um 0 a 0 com o Corinthians, em Itaquera.

TREINO - O elenco santista fechou na manhã desta sexta-feira, no CT Rei Pelé, a sua preparação para o clássico e Sampaoli trabalhou com todos os jogadores no campo, depois de ter dividido o grupo em atividades distantes em outros dias da semana.

Além de Soteldo, o treinador argentino também não terá à disposição para o jogo deste sábado os atacantes Derlis González, convocado para defender a seleção paraguaia, e Kaio Jorge, que na última quinta-feira à noite ajudou o Brasil a vencer a França por 3 a 2, de virada, e garantir vaga na final do Mundial Sub-17. Ele foi o autor de um dos gols do triunfo no Estádio Bezerrão, no Gama (DF).

Acompanhado de perto pelo superintendente de futebol do Santos, Paulo Autuori, o treinamento desta sexta foi fechado e os jornalistas só puderam acompanhar os minutos iniciais de aquecimento dos atletas. Uma provável escalação do time para o clássico contaria com Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Alison, Evandro e Carlos Sánchez; Marinho, Eduardo Sasha e Tailson.

Com 64 pontos, o Santos ocupa a terceira posição do Brasileirão e tem a chance de assumir provisoriamente a vice-liderança da tabela, hoje ocupada pelo Palmeiras, que tem 67 pontos e o mesmo número de vitórias do time alvinegro (19). No domingo, a equipe alviverde enfrentará o Bahia, em Salvador, no complemento desta 33ª rodada.


Continue lendo


Últimas notícias