Proibido de contratar, Santos não paga parcelas de quatros reforços de 2019


EDER TRASKINI
EDER TRASKINI

SANTOS, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O Santos está proibido pela Fifa de contratar jogadores por três janelas de transferência. A nova punição da entidade foi homologada nesta quarta-feira (16), na CBF, com base na dívida pela contratação de Soteldo junto ao Huachipato (CHI). O venezuelano, no entanto, foi apenas um dos quatro atletas que o clube trouxe acertando pagamento parcelado —nenhum dos acordos foi cumprido.

Completam a lista de reforços que não foram pagos o zagueiro Felipe Aguilar, o volante Jobson e o meia Cueva. Os dois primeiros tiveram a primeira parcelada acertada com os clubes de origem, enquanto nenhuma das parcelas foi paga no caso do peruano, que está na Fifa.



O Santos acordou pagar US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 18 milhões na cotação atual) por 50% dos direitos econômicos de Soteldo em três parcelas, mas não honrou nenhuma delas.

O Huachipato acionou o Santos na Fifa e conseguiu a punição de três janelas, uma vez que o time alvinegro já estava bloqueado de realizar contratações, por causa da dívida com o Hamburgo (ALE) pela contratação de Cléber Reis. O valor hoje gira na casa de 4,5 milhões de euros (R$ 28 milhões atualmente).

Já Aguilar foi adquirido junto ao Atlético Nacional (COL) por US$ R$ 1,1 milhão (R$ 5,5 milhões hoje) dividido em três parcelas. Somente a primeira foi paga e os colombianos também acionaram a Fifa, em processo que ainda tramita.

Cueva, por sua vez, foi comprado do Krasnodar (RUS) por US$ 7 milhões (R$ 36 milhões hoje) em três parcelas anuais. A primeira venceu no início deste ano, quando o peruano já havia abandonado o Santos sem comunicar o clube e se juntado ao Pachuca (MEX). O caso foi parar na Fifa, em processo que envolve os três clubes, e a parcela não foi paga.

O único clube com o qual o Santos tem acordo, por ora, é o Red Bull Bragantino, pela dívida na contratação de Jobson. O time alvinegro pagou R$ 1,5 milhão no ato da compra, mas não acertou a segunda parcela de mesmo valor um ano depois. O antigo clube do volante aceitou um parcelamento de 15 vezes de R$ 100 mil, que foi feito em junho e tem sido cumprido até aqui.

A lista de imbróglios em contratações recentes do Santos ainda acumula outras casos. Marinho e Luan Peres, por exemplo, foram reforços que chegaram ao clube com acordo para pagamento em parcela única, não à vista nem em várias parcelas.

O Santos acertou cerca de R$ 5 milhões com o Grêmio por Marinho em dia, mas atrasou R$ 1 milhão ao Club Brugge (BEL) pelo empréstimo de Luan Peres —outro processo que foi parar na Fifa, mas já resolvido e com valor acertado.

Há ainda o caso envolvendo Eduardo Sasha, que chegou ao time em 2018 por empréstimo, depois acabou ficando em definitivo em troca pelo lateral Zeca. Neste ano, porém, o Santos acordou a aquisição de mais 50% dos direitos econômicos do atleta de forma parcelada, em 24 vezes.

O clube alvinegro não honrou os compromissos, e o Internacional chegou a estudar entrar na Justiça, mas fez um novo acordo com o Santos que resultou na ida de Yuri Alberto para o clube gaúcho.

Hoje, Sasha é jogador do Atlético-MG após ter entrado na Justiça contra a equipe da Vila Belmiro por atrasos salariais. Os clubes fizeram um acordo para que o Santos recebesse cerca de 1,5 milhão de euros (R$ 9,6 milhões).

Das contratações feitas em 2019, somente três não representam problema de atrasos para o clube hoje: o goleiro Everson, o lateral Felipe Jonatan e o centroavante Fernando Uribe.

A dupla que veio do Ceará foi paga à vista por insistência do clube nordestino, que se mostrou irredutível em receber a multa rescisória antes de liberá-los. O Santos pagou R$ 4 milhões por Everson, que abriu mão de cerca de R$ 2 milhões para o negócio sair, e R$ 6 milhões pelo lateral esquerdo.



Já o colombiano foi adquirido por R$ 5 milhões junto ao Flamengo, e o valor foi abatido do que os cariocas ainda tinham de pagar ao Santos pela aquisição do atacante Bruno Henrique. Uribe entrou na Justiça contra o time alvinegro por atrasos salariais e tenta rescisão de contrato.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo