Áureo Nogueira
De Londrina
Nem mesmo a cobrança de ingresso – R$ 2,00, até para crianças com mais de 7 anos – inibiu a curiosidade do londrinense de assistir ao primeiro treino da Seleção Brasileira. Apesar de ser a tarde de uma segunda-feira, aproximadamente 3 mil pessoas compareceram ao Estádio Vitorino Gonçalves Dias (VGD). Muitos jogos do Londrina no Regional não atrai tanta gente, sobretudo em dia útil e à tarde.
A maioria era formada por crianças, adolescentes e jovens. Mas havia também muitos pais de família. Alguns justificaram a presença argumentando que foram levar o filho. Outros, juraram que estão em férias.
A verdade é que o VGD ficou colorido com o alviceleste do Londrina, o arco-íris das camisas de grandes clubes brasileiros e, especialmente, o verde-amarelo da Seleção. ‘‘É mês de férias, as crianças ficam ansiosas para ver a Seleção e a gente aproveita a oportunidade. Afinal, não é comum a chance de ver a pátria de chuteiras, mesmo que seja apenas um treino’’, disse o ex-deputado Nedson Micheleti, que estava acompanhado do filho Rafael, de 13 anos.
A cobrança de ingresso para os treinos da Seleção dividiu a opinião do torcedor. ‘‘Acho que não devia haver cobrança de ingresso para os treinos. A CBF recebe dinheiro até das loterias’, disse o comerciário Tito Proença, 48 anos, que vive em Brasília e passa férias na cidade, aonde veio acompanhado do sobrinho João Lucas, 12, de Goiânia. ‘‘Acho que cobrar dois reais é razoável. Com a cobrança de ingresso acaba aparecendo mais torcedores do que se fosse de graça’’, emendou Antônio Schiavo, jardineiro de 59 anos.
As crianças e adolescentes estavam mais preocupadas em conseguir autógrafos dos ídolos. Mas havia também estudante que fugiu das apostilas e foi relaxar no treino da Seleção. É o caso de Rafael Domingues, 19 anos. ‘‘Acabei não resistindo. Deixei as apostilas de lado, coloquei uma camisa do Atlético (Paranaense) e vim ao VGD’’, disse, sem arrependimento. ‘‘Estes minutos de relaxamento são mais úteis do que horas de estudos’’, emendou, confiante de que vai passar no vestibular para o curso de Administração da UEL.
Outro estudante que vestiu a camisa do seu clube e foi assistir ao primeiro treino da Seleção foi Júlio César Abba de Souza, 20 anos. ‘‘Estudo em Curitiba e estou passando férias na casa dos meus pais. Aproveitei a chegada da Seleção e trouxe minha manorada (Leda, 18) e minha irmã (Jaqueline, 18). Somos atleticanos e viemos apoiar especialmente o Gabiru (apelido do meia Adriano, do Atlético-PR)’’, disse o estudante.
Há também as figuras típicas de campos de futebol. Eduardo Garcia, estudante, de 28 anos, vestiu uma bandeira verde-amarela, se cercou de duas belas moças e desfilou pelas arquibancadas do VGD. ‘‘A cidade toda já está no clima do Pré-Olímpico. Jogo ou treino da Seleção é festa. Estou apenas entrando no clima.’’