BOXE Popó defende título contra mexicano Arquivo FolhaDIRETO PARA O CHÃOPopó na luta em que nocateou o russo Alexander Alexandrov: luta de hoje vale o título dos superpenas da OMB Agência Estado De São Paulo Além de ser um eterno problema para o superpena brasileiro Acelino Popó Freitas, o peso também está se tornando um fato constrangedor em suas lutas. Na véspera do combate contra o mexicano Javier Jauregui, hoje, com transmissão ao vivo da Rede Globo, a pesagem causou grandes dúvidas se o pugilista baiano realmente acusou o limite para a categoria – 58,967 quilos. A luta será disputada às 23 horas no Credicardhall, casa de shows de São Paulo. Com o semblante tenso, Popó só ficou três segundos sobre a balança e, após os aplausos do técnico Luís Dórea, buscou rapidamente uma garrafa de bebida isotônica. Na manhã de ontem, o pugilista precisou treinar em uma academia para perder os dois quilos de excesso. Passou as 24 horas antes da pesagem sem ingerir qualquer alimento ou líquido. Popó, que passou pelo mesmo problema no último combate, na Inglaterra, contra o britânico Barry Jones, negou qualquer distúrbio desta vez. ‘‘Estou até abaixo do peso’’, afirmou o boxeador, que subiu na balança pouco antes da pesagem oficial para ‘‘conferir’’. Popó, de 24 anos, vai defender o inexpressivo título da Organização Mundial de Boxe (OMB), conquistado em agosto, na França. O brasileiro acumula 24 vitórias, todas por nocaute. Apesar do problema em manter o peso, Popó não pretende subir para os pesos leves. ‘‘Vida de boxeador é asim mesmo; vou continuar com o cinturão.’’ Caso vença, o brasileiro deverá fazer mais quatro lutas este ano. Uma poderá ser nos Estados Unidos, outra na Europa, a terceira no México e o retorno para o Brasil no fim do ano. Popó admitiu que recebeu propostas para lutar por cadeias de televisão a cabo nos Estados Unidos, mas não aceitou. ‘‘Sou made in Brazil (feito no Brasil)’’, brincou. Popó também negou a intenção de desafiar outros campeões de entidades com maior crédito. ‘‘Sou o campeão mundial.’’