Paulo Briguet
O técnico da Seleção Brasileira, Wanderley Luxemburgo, o Luxa, e o prefeito de Londrina, Antonio Belinati, o Tonico do Povo, tiveram uma conversa telefônica pelo orelhão instalado no gabinete da Prefeitura. Esta coluna ficou imaginando o conteúdo de um possível diálogo entre os dois personagens, face aos recentes acontecimentos do Pré-Olímpico.
Belinati: – Alô? Luxa?
Luxa: – Eu messs.
Belinati: – Está se sentindo bem na nossa casa?
Luxa: – Olha, prefeito, a cidade é bonita, coisa e tal. Eu só não me acostumo com esse batalhão de PMs que me acompanha até quando vou ao banheiro.
Belinati: – E a torcida, o nosso povo de Londrina?
Luxa: – A maioria da torcida é educada. Gostei quando disseram que eu era lindo. Mas tem uma meia dúzia lá no VGD que eu vou te contar. É um pessoal vestido de azul que vaia até tiro de meta.
Belinati: – Mas essa não é a livre manifestação democrática? A voz do povo é a voz de Deus, eu bem sei.
Luxa: – Até concordo, mas o volume poderia ser um pouquinho mais baixo. E quer saber? Eu vou fechar o VGD!
Belinati: – Que é isso? Fecha nada! Londrina quer ver a Seleção!
Luxa: – Fecho!
Belinati: – Não fecha!
Luxa: – Fecho!
Belinati: – Meu caro professor, eu prometo que você não será mais vaiado no VGD. Vou chamar uma claque de correligionários meus para aplaudi-lo e gritar ‘‘Luxa, Luxa, Luxa’’. Sempre dá certo. Combinado?
Luxa: – Feito.
Belinati: – Depois a gente bate uma pelada lá na minha chácara.
Luxa: – Cê que sabe.
Belinati: – E o Denílson? Não teve como segurar o homem?
Luxa: – Ah, Belinati, eu não podia ficar com o menino. A espanholada passava trote no meu quarto de dois em dois minutos. Eu sabia que eram eles pelo sotaque. Ligavam e diziam: ‘‘Hay um carro verde parado em la esquina?’’.
Belinati: – Sei como é isso. Eu também já tive problemas com minha equipe.
Luxa: – Mas fique tranquilo, prefeito. A gente vai conquistar esse título. Esta é uma cidade que a Seleção ama.
Belinati: – Que história é essa de AMA? Que história é essa de AMA?