Os três paranaenses que competem em Sydney estão confiantes em bons resultados. Conseguir medalhas, segundo eles, é outra história e vai depender de vários fatores. No caso do tênis de mesa, Luis Algacir, de Curitiba e Anita Sutil, de Francisco Beltrão, esperam obter sucesso já no sorteio das chaves, hoje. ‘‘Vim para fazer o melhor que eu puder, mas sei das nossas limitações pois os asiáticos e os europeus ainda são muito melhores’’, disse Anita que disputa a sua primeira Paraolimpíada. Ela diz que está adorando Sydney. Luis Algacir participa pela segunda vez de uma Paraolimpíada e disse estar bem preparado. Porém, se defrontar logo na primeira fase com atletas asiáticos não está nos seus planos. ‘‘Espero conseguir entrar numa chave mais fácil para adquirir confiança e depois tentar a sorte nas finais’’, disse.
O técnico da equipe, o curitibano Benedito Rodrigues de Oliveira, também compartilha deste pensamento, mas espera pelo menos uma medalha. ‘‘Estamos 20 anos atrasados em relação à preparação dos atletas asiáticos e europeus, por isso qualquer medalha será uma grande vitória’’.
O nadador curitibano Fabiano Machado vai disputar os 100 e 400 metros livres e o 100 metros borboleta e acredita ter melhor chance nos 100 borboleta. O atleta disse que ficou muito sentido pela ausência do paranaense José Afonso Medeiros, o Caco, na delegação. ‘‘Além de ser um grande nadador é um ídolo para mim, pois foi vendo as vitórias dele que me dediquei mais ao esporte’’, disse, referindo-se ao nadador curitibano que não teve seu registro aceito pelo Comitê Organizador dos Jogos. (M.F).