Curitiba, 26 (AE) - O secretário de Esportes e Turismo do Paraná, Ney Leprevost, disse hoje que o Estado fará "o que for possível" para que o Rexona mantenha o patrocínio do time campeão da Superliga feminina 97/98. A ameaça de encerramento do patrocínio tinha sido feita ontem (25) pelo gerente de marketing esportivo do Centro Rexona, Luis Felipe Taketani Vaz, alegando que o retorno das transmissões pela televisão não estão compensando o investimento.
Leprevost disse que o Estado tem interesse sobretudo no projeto social, que tem como âncora o time adulto feminino e, sobretudo, o técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho. "O time é um incentivo e um estímulo ao projeto social", disse o secretário. Cerca de 3,5 mil crianças estão envolvidas no projeto que se estende por 18 cidades paranaenses.
"Acredito que a Gessy Lever (dona da marca Rexona) reveja a posição", disse o secretário, que não tinha conhecimento da intenção de encerramento do patrocínio. "Temos dados mostrando que, desde que a empresa começou a patrocinar o vôlei, a marca saltou do oitavo para o primeiro lugar na região Sul em vendas de produtos." Leprevost disse acreditar que a questão da transmissão pela televisão dos jogos é "momentânea". "Há expectativas de que haja acordo com outros canais."