|
  • Bitcoin 144.742
  • Dólar 4,8801
  • Euro 5,1549
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 06/04/2022, 21:21

No embalo do Carioca, Fluminense vence Oriente Petrolero na estreia na Sul-Americana

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 06 de abril de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - O Fluminense estreou na Copa Sul-Americana com triunfo. No embalo da conquista do Campeonato Carioca, que aconteceu no último sábado (2), a equipe tricolor venceu, na noite desta quarta-feira (6), o Oriente Petrolero, da Bolívia, por 3 a 0. O placar positivo foi construído com gols de Cris Silva, Arias e Zazpe, que marcou contra.

A equipe tricolor disputa a competição após ser eliminada na terceira fase preliminar da Libertadores. Agora, o time soma três pontos no torneio e, na próxima rodada, encara o Junior Barranquilla, da Colômbia. O Grupo H conta ainda com o Unión Santa Fe, da Argentina.

Os comandados do técnico Abel Braga voltam a campo no sábado, contra o Santos, no pontapé inicial no Campeonato Brasileiro.

O Fluminense manteve o esquema 3-5-2, tendo um meia e uma dupla de ataque, como foi nas finais do Carioca. O time teve mais a bola, mas até a metade do primeiro tempo, mostrava dificuldade em encontrar espaços na marcação adversária. Porém, aos poucos, foi se encontrando, criando chances e logo mexeu no placar "em dose dupla".

O time voltou para o segundo tempo com a mesma estrutura, mas, aos poucos, com as substituições, o time tricolor ganhou novo fôlego e manteve o bom ritmo.

Com uma formação desenhada, mais ou menos, no 4-5-1, o Oriente Petrolero buscou povoar o meio de campo e pressionar a saída de bola do Fluminense. A estratégia funcionou por um tempo, mas, aos poucos, passou a não surtir tanto efeito. O time boliviano até teve boas investidas, mas, quando não esbarrava nos próprios erros, ficava na marcação.

A equipe, mesmo atrás no placar, conseguiu algumas boas tramas, com trocas de passes interessantes, mas sem tanta efetividade.

O jogo iniciou com o Oriente Petrolero pressionando a saída de bola do Fluminense, e dando certo trabalho ao adversário. Aos poucos, porém, o time tricolor passou e ter uma presença maior no campo de ataque.

Apesar de rondar a área da equipe boliviana, o elenco tricolor não conseguia achar espaços e criar oportunidades claras. Cano chegou a balançar a rede, mas a finalização aconteceu após a posição irregular ter sido indicada pela arbitragem.

O Fluminense abriu o placar em jogada que passou pelo meia Ganso e chegou ao volante Yago Felipe, que arriscou de fora da área e Quiñónez rebateu. Cris Silva aproveitou e mandou para o fundo da rede. Foi o primeiro gol dele no clube tricolor.

Após o gol, o time de Abel Braga manteve o ritmo e conseguiu ampliar a vantagem com Arias. Ganso, na frente da área, acionou Samuel Xavier, que passou na velocidade. O lateral-direito acionou Arias, que bateu cruzado e fez o segundo da equipe carioca.

A volta do intervalo foi movimentada. O Fluminense, logo nos primeiros minutos, pressionou e, por pouco, Ganso não conseguiu fazer o terceiro da equipe. O Oriente Petrolero, por sua vez, aproveitou um cochilo do sistema defensivo fluminense e, em boa jogada, Carlos Roque parou em Fábio. Pouco depois, após a bola ir de pé em pé, Yago bateu e mandou no pé da trave.

O jogo teve um momento de tensão. Após levantamento para a área, Samuel Xavier se chocou com o goleiro Quiñónez Os dois caíram no gramado e tiveram de receber atendimento médico.

Os técnicos Abel Braga e Erwin Sánchez começaram a fazer substituições e, no lado tricolor, entraram Luiz Henrique e Willian Bigode. Logo na primeira jogada, Luiz Henrique acionou Cano, que cruzou e, de cabeça, Bigode fez Quiñónez trabalhar. Logo depois, o camisa 17 cruzou para a área e Zazpe, ao tentar cortar, fez contra.

FLUMINENSE

Fábio; David Duarte, Manoel (Luccas Claro) e David Braz; Samuel Xavier, André (Wellington), Ganso, Yago Felipe e Cris Silva; Arias e Cano (Fred). T.: Abel Braga

ORIENTE PETROLERO

Quiñónez, Caire, Sebastián Álvarez, Zazpe e Carlos Roca (Marcelo Suárez); Mercado, Daniel Rojas (Ferddy Roca), Guaycochea (Miguel Ríos), Ribera (Héctor Sánchez) e Dorrego; Facundo Suárez (Ricardo Sandoval). T.: Erwin Sánchez

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Árbitro: José Argote (Venezuela)

Assistentes: Carlos Lopez (Venezuela) e Lubin Torrealba (Venezuela)

Cartões amarelos: Samuel Xavier, André (FLU); Mercado, Caire (ORI)

Gols: Cris Silva (FLU), aos 31', e Arias (FLU), aos 39'/1ºT; Zazpe (ORI), contra, aos 27'/2ºT