|
  • Bitcoin 105.223
  • Dólar 5,2228
  • Euro 5,4757
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 05/06/2022, 17:40

Nadal venceu Roland Garros pela 14ª vez com o pé dormente

Maior campeão da série Grand Slam sofre de uma doença degenerativa que afeta um dos ossos da parte central do pé

PUBLICAÇÃO
domingo, 05 de junho de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Rafael Nadal, campeão pela 14ª vez do Grand Slam de Paris, enfrentou Casper Ruud com o pé esquerdo dormente na final deste domingo (5). "Tive meu médico aqui comigo. Jogamos sem sentir meu pé, com uma injeção no nervo, então meu pé estava adormecido. É por isso que fui capaz de jogar", disse à Eurosport depois da partida.

Nadal bateu o norueguês Ruud por 3 sets a 0, com parciais de 6/3, 6/3 e 6/0. Aos 36 anos, levantou de novo o troféu que erguera pela primeira vez aos 19, demonstrando uma força da qual chegou a duvidar.

O tenista espanhol também lembrou que ficou um mês sem treinar e que, além da lesão no pé, enfrentou uma fratura na costela.

As dores no pé esquerdo do tenista espanhol são decorrentes da síndrome de Müller-Weiss, uma doença degenerativa rara que afeta um dos ossos da parte central do pé. Nadal recebeu o diagnóstico em 2005.

"Este osso se submete a tensões significativas e, por razões desconhecidas, perde sua vascularização e se torna necrótico", disse Denis Mainard, presidente da Associação Francesa de Cirurgia do Pé, à agência AFP.

Nos casos mais graves, "o osso vai se desintegra, pode se fragmentar e, ao final, evoluir para uma osteoartrite com redução do arco plantar", afirma.

A síndrome de Müller-Weiss tem cinco estágios: o primeiro não revela sintomas, o último é a osteoartrite.

As causas são desconhecidas. "Dos dois autores que inicialmente a descreveram, Müller acreditava que fosse de origem traumática, Weiss, vascular. No momento, considera-se que a origem seja vascular", diz Mainard.

Em Roland Garros, Nadal disse que competir mais uma vez o Aberto da França, aos 36, significa muito para ele. "Não sei o que vai acontecer no futuro, mas vou continuar lutando", afirmou. "Busquei um nível que eu pensava já não ter", disse Nadal após o triunfo sobre o rival Novak Djokovic, nas quartas de final. Um triunfo que, mesmo com seu histórico quase inacreditável no Aberto da França, era considerado improvável por muitos.

Então líder do ranking mundial e defensor do título, o também veterano Djokovic, 35, havia chegado às quartas sem ter perdido um set. Em razão das dores crônicas no pé, Nadal desembarcou em Paris dando sinais de que a competição poderia ser a sua última. "Aceitaria perder a final em troca de um pé novo", disse, meio de brincadeira, meio a sério, antes da partida do título.

REI DO GRAND SLAM

Com ao menos um par de títulos em cada um dos outros três campeonatos da série Grand Slam - dois no Aberto da Austrália, quatro no Aberto dos Estados Unidos e dois no tradicional Torneio de Wimbledon -, Nadal chegou a 22 taças do circuito Major. Ninguém ganhou tanto, tendo ficado para trás Djokovic e o suíço Roger Federer, 20 conquistas cada um.