|
  • Bitcoin 100.609
  • Dólar 5,2295
  • Euro 5,4683
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 07/06/2022, 19:58

Na disputa pela alma do Juventus, a SAF perdeu a primeira partida

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 07 de junho de 2022

ALEX SABINO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um dos últimos bastiões do futebol antigo em São Paulo, o Clube Atlético Juventus não vai virar sociedade anônima. Pelo menos por enquanto. Em uma votação apertada, a proposta de vender o futebol para a AlmavivA, multinacional italiana de tecnologia da informação, foi rejeitada.

A negativa se deu em reunião tensa do conselho deliberativo do clube, realizada na noite da última segunda-feira (6).

Prevaleceu a opinião da mesa diretora do órgão de que a aprovação precisaria de maioria simples. Para os opositores, seriam necessários dois terços dos votantes. No final, 53 dos 102 presentes rechaçaram a venda.

Para a torcida que se orgulha da origem operária, de o time ser arraigado no bairro da Mooca, zona leste de São Paulo, foi uma vitória. Principalmente para os mais jovens, que se preocupam com o futuro do futebol. Associados mais antigos, alarmados com a condição do clube social, lamentaram.

"Pelo contrato, a empresa era obrigada a manter as tradições: o uniforme, o escudo, o futebol. Alugaria a Javari e faria reformas na estrutura social do clube", explica Ivan Antipov, presidente do conselho deliberativo e favorável à venda.

A AlmavivA pagaria R$ 13 milhões por 90% da SAF (Sociedade Anônima do Futebol) do Juventus e seria dona do futebol por tempo indeterminado, inclusive da inscrição na FPF (Federação Paulista de Futebol). Alugaria por R$ 50 mil o estádio na rua Javari.

Para os conselheiros que organizaram a oposição, era uma questão de rejeitar uma oferta que consideravam ruim, mas também de manter os costumes da agremiação fundada em 1924 e querida pela maioria das demais torcidas da capital.

Eles acreditam que o departamento de futebol deva ser profissionalizado, não vendido.

"Se profissionalizar, vai conseguir se sustentar. Tradição é não perder o futebol. Se a gente tivesse 51% ou 50%, teria poder de decisão. Isso é o mais importante. O Juventus é nosso, a tradição é a Mooca", defende o conselheiro Eduardo Pinto Ferreira.

Antes da reunião, os favoráveis à negociação davam a votação no conselho como algo protocolar. A venda seria aprovada. A questão era vencer também o último passo. A assembleia geral de sócios já havia sido marcada para sábado (11) e teria de referendar o contrato.

Acabou se tornando uma disputa pela alma do Juventus. De quem vê o futebol como o símbolo máximo do clube e quem acha que, sem dinheiro privado, mantê-lo é quase impossível.

"Eles queriam vender o futebol por R$ 13 milhões. O único ativo do Juventus é o futebol. Essa narrativa que usaram para viabilizar a SAF, de que seria a salvação, não existe. O tombamento de parte da Javari gerou um potencial de construção de quase 11 mil metros quadrados. No discurso deles [favoráveis] estava que o clube não tem condições de investir. Mas o Juventus procurou parcerias? Não procurou. Abraçaram a primeira oferta que apareceu", queixa-se o também conselheiro opositor Marcello Betone.

O clube tem dívidas de cerca de R$ 11 milhões, sendo R$ 5 milhões de curto prazo. O patrocínio do futebol na Série A2 deste ano foi do Hospital São Cristóvão. Mas os R$ 70 mil mensais pagos mal davam para cobrir a alimentação do elenco (cerca de R$ 65 mil). Pela disputa do torneio, a Federação Paulista deu R$ 700 mil.

A receita mensal da parte social, antes do início da pandemia, era de R$ 2 milhões anuais. Hoje em dia, está em cerca de R$ 1,3 milhão.

"O problema é quando acabam as competições. Tem de dispensar todo o mundo, pagar a multa, e a coisa começa a ficar complicada. Não tem como dinheiro daqui de cima [da parte social] ir para o futebol. Estamos reduzidos a poucos sócios pagantes", explica o conselheiro e ex-presidente Francisco Romanucci, um dos que tentaram costurar a aprovação da venda.

A Covid-19 fez com que o Juventus perdesse também fontes de renda importantes, com o salão de festas (R$ 50 mil por evento), a boate (R$ 4.500) e um salão menor (R$ 5.000).

Apesar do discurso de que as tradições seriam mantidas pela AlmavivA (uma empresa sem tradição no esporte), as garantias dadas foram consideradas insuficientes pela oposição.

Uma das reclamações é que foi contratada uma empresa para avaliar o clube. Chegou-se a R$ 30 milhões, sem exploração da marca Juventus, como estava previsto inicialmente, mas depois ela foi incluída em contrato.

"Eles ofereceram menos da metade da avaliação, incluindo exploração da marca, sendo que R$ 1,3 milhão seria pago a advogados. O Juventus ficaria com R$ 11,7 milhões a serem quitados em cinco anos. Isso é uma boa oferta?", questiona Ferreira.

A oposição questiona também o pagamento de R$ 50 mil pelo aluguel da Javari. Afirmam que o valor de mercado na Mooca seria de R$ 220 mil. Dizem que a AlmavivA se comprometeu a manter uniforme, nome e escudo, mas não há nenhuma garantia que o time não seria levado no futuro para fora de São Paulo.

"Se amanhã eles decidem jogar no Acre, fica por isso mesmo. E é um contrato vitalício, né? Para sempre é muito tempo", completa Ferreira.

"A venda era favorável. Você precisa ver quanto economiza na Javari, por exemplo. Com uma parceria, a sua despesa cai para zero. Haveria antecipação de recursos. Seriam R$ 3,5 milhões na assinatura do contrato, e queríamos que virassem R$ 5 milhões para apagar o incêndio. Depois, liquidaria o resto em três anos", discorda Romanucci.

"Sinceramente, sem valores de fora, não tem como tocar o futebol", acredita Antipov

Já na opinião dos contrários à venda, há ainda falta de jurisprudência no modelo de sociedade anônima no Brasil e a questão de quanto vale o estádio. A conclusão deles é que a SAF é algo muito recente e que não se pode jogar o futuro de uma instituição quase centenária como o Juventus em algo desconhecido.

Há a lembrança também de que dos 15 mil metros quadrados da Javari, apenas 4.500 estão tombados, o que possibilitaria buscar recursos no espaço restante. E R$ 50 mil mensais seriam muito pouco para um estádio que vale, segundo eles, R$ 220 milhões.

A reportagem tentou ouvir a AlmavivA, mas nenhum representante atendeu aos telefonemas ou respondeu os emails enviados.

A multinacional pode insistir no assunto, teoricamente, mas terá de aparecer com nova oferta e recomeçar do zero.

Até lá, vai valer o mesmo Juventus dos últimos 98 anos.

"Até agora, ganhou a tradição", comemorou Marcello Betone.

Ou, como canta o Setor 2, uma das organizadas da equipe, "ódio eterno ao futebol moderno".