Movimento
nasceu em 1981
e virou mania
Eles se autodefinem como uma associação de atletas de várias denominações cristãs. É um movimento integrado por desportistas que reconheceram a Jesus Cristo como ‘‘filho de Deus, salvador pessoal e único caminho de ligação entre o homem e Deus, eterno e criador de todas as coisas’’.
Fazem questão de enfatizar que o grupo não é uma religião, igreja ou nova seita. Não é um sindicato de desportistas, nem time de futebol e nem qualquer outra modalidade esportiva. Não impõem ritos, nem normas de conduta e também não há nenhum interesse político.
Tudo começou informalmente quando o ex-goleiro da Seleção Brasileira e do Atlético Mineiro, João Leite, estampou em sua camisa a mensagem ‘‘Cristo Salva’’. O então piloto de Fórmula 1, Alex Dias Ribeiro, também usou a mensagem para mostrar ao mundo sua fé e a idéia logo virou mania.
O ano era 1981, quando um grupo de atletas começou a se oganizar para compartilhar sobre o amor de Deus. Ele eram Baltazar – o ‘‘artilheiro de Deus’’ –, a jogadora de vôlei Eliana Aleixo e o jogador de futebol Isaías. O nome Atletas de Cristo foi sugerido por Eliana Aleixo e durante três anos o grupo formado pelos atletas funcionou como uma espécie de departamento da instituição missionária Mocidade Para Cristo.
Em dezembro de 81 aconteceu o primeiro congresso dos Atletas de Cristo em Curitiba, e em 84 a entidade já estava registrada com estatuto pronto e slogan que resumia a proposta da entidade: ‘‘Amando o Senhor, correndo juntos e alcançando a todos’’.
Hoje, a estimativa é que existam mais de 125 grupos locais espalhados pelo Brasil e aproximadamente nove mil membros da associação por todo o mundo.
O grupo já expandiu suas funções para outros países. Na América Latina, a Argentina é o país onde o trabalho é mais forte.
(Marcos Freitas)