O sonho de Gil de Ferran de conquistar o título da Indy antecipadamente acabou na primeira curva do circuito de rua de Surfer‘s Paradise, na Austrália. O brasileiro, que havia largado na segunda posição, bateu no carro do colombiano Juan Pablo Montoya. Outro a se envolver no acidente foi o escocês Dario Franchitti, que também teve que abandonar a prova.
O vencedor da corrida, disputada na madrugada de ontem, foi o mexicano Adrian Fernandez, que conquistou sua segunda vitória na temporada – a primeira havia sido na Rio-200, em abril.
Com a conquista, o piloto da Patrick se aproximou do brasileiro na classificação geral. Agora, Gil de Ferran, da Penske, está com 153 pontos, cinco a mais do que Fernandez, que é o vice-líder. A decisão será em Fontana (Califórnia, EUA) daqui a duas semanas.
Com a saída de Ferran, a liderança da prova foi assumida por Paul Tracy, então o maior rival do brasileiro na disputa pelo título. Mas o canadense também não teve sorte. Logo na 11ª volta ele teve problemas no seu carro, perdendo várias posições. A partir daí, o piloto da Green começou então a se recuperar na corrida.
Tracy chegou a ocupar a terceira colocação, o que já lhe deixaria muito próximo do brasileiro na classificação geral. Uma batida no carro do espanhol Oriol Servia, porém, o tirou da prova.
O norte-americano Michael Andretti, outro rival de Ferran na disputa pelo título, também abandonou, depois que o motor de seu carro explodiu. Com a desistência, o piloto da Newman-Haas perdeu qualquer chance de conquistar o título.
Outro que não completou a prova foi Roberto Moreno. O piloto perdeu o controle do carro na 44ª volta e bateu no muro. Sem pontuar na Austrália, Moreno ainda tem chances conquistar seu primeiro título na Indy, mas depende de uma improvável combinação de resultados.
Fernandez, companheiro de equipe de Moreno na Patrick, por outro lado, deu um passo muito importante para tentar conseguir o título na categoria. Ele também conquistou o ponto extra por ficar mais voltas na liderança.
A desistência de tantos pilotos envolvidos em acidentes – apenas 13, dos 25 que largaram, chegaram até o final – fez com que a direção da prova decidisse terminar a corrida após duas horas. Apenas 59 das 65 voltas previstas foram completadas, garantindo a vitória do mexicano.
O pódio foi completado pelo sueco Kenny Brack – o novato do ano – e pelo norte-americano Jimmy Vasser, que fez sua penúltima corrida pela Ganassi.
Cristiano da Matta foi o melhor brasileiro na corrida australiana. Ele terminou a prova na quarta colocação. Hélio Castro Neves, companheiro de Gil de Ferran na Penske, ficou na sexta posição e não tem mais nenhuma chance de conquistar o título.
Tony Kanaan, em oitavo, Maurício Gugelmin, em 10º, e Luiz Garcia Jr., que ficou em 12º, foram os outros brasileiros que pontuaram na Austrália.