Mecenas estende patrocínio para o centenário e muda acordo com o Cruzeiro


THIAGO FERNANDES
THIAGO FERNANDES

BELO HORIZONTE, MG (UOL/FOLHAPRESS) - No dia em que anunciou o pagamento de 600 mil euros (cerca de R$ 3,59 milhões) da dívida por Willian Bigode com o Zorya -o montante é parte do déficit com o clube ucraniano-, o Cruzeiro estendeu o patrocínio com o Supermercados BH, responsável por quitar o valor com os ucranianos, para 2021, ano do centenário.

O acordo será diferente daquele que o clube tem com a empresa em 2020 -hoje, a rede de lojas estampa a sua logomarca na região central da camiseta e tem direito a algumas placas em treinos e jogos. Na gestão de Sérgio Santos Rodrigues, a ideia é ampliar a parceria, dando mais visibilidade para a empresa.



O Cruzeiro estuda novos negócios com a empresa e formas distintas de ceder mais espaço à marca. O presidente não revela como será feito o acordo, mas confirma à reportagem.

Desde o início deste ano, quando o Cruzeiro anunciou que o Banco Digimais não seria mais patrocinador master, o Supermercados BH adotou o espaço no uniforme cruzeirense. Ao falar sobre o pagamento da dívida na Fifa, Sérgio Santos Rodrigues revelou a mudança nos moldes do patrocínio.



"Como nosso parceiro querido Pedro Lourenço já havia falado essa semana, isso não vai acontecer no Cruzeiro. Na terça-feira [26], nos reunimos com o Bruninho, filho do Pedro, e apresentamos um novo projeto entre Cruzeiro e Supermercados BH. O Pedro foi trending topics no Twitter depois que deu a entrevista de terça-feira. Eu e os outros milhões de cruzeirenses somos muito gratos à sua família por tudo o que você fez. O dinheiro que veio para pagar isso veio de uma parceria. O novo Cruzeiro faz parceria com as pessoas, não é uma doação", comentou.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo