Adversário do Real Madrid nas oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, Kylian Mbappé poderia estar do outro lado do campo no aguardado confronto pelo Paris Saint-Germain. Afinal, ele despertou o interesse do clube espanhol antes de assinar com a equipe francesa. E, nesta quarta-feira, destacou que não havia outra opção a fazer a não ser trocar o Monaco pelo PSG.

"Porque o PSG é a equipe da minha cidade, é como se um menino madrilenho torcedor do Real Madrid tem a oportunidade de jogar em sua equipe e vai para outro lugar, para outro país. Não, eu queria jogar no PSG e estou muito contente pela forma como as coisas estão acontecendo", afirmou Mbappé, em entrevista ao jornal esportivo espanhol Marca.

Imagem ilustrativa da imagem Mbappé diz que ir para o PSG foi natural e nega que Neymar seja egoísta
| Foto: C.Gavelle/PSG



O francês foi uma das contratações de peso realizadas pelo PSG na última janela para contratações, dias após o clube realizar a maior transação da história do futebol ao tirar Neymar do Barcelona. Logo nos seus primeiros jogos no time francês, o brasileiro se envolveu em polêmica com Cavani sobre quem seria o cobrador de pênaltis do time. Se declarando amigo do companheiro, Mbappé defendeu Neymar das críticas e assegurou que o brasileiro não é egoísta, pensando sempre nos interesses do time.

"Pessoas de fora veem um Neymar no campo que ele não é. As pessoas veem ele fazendo aqueles dribles e acham que ele só pensa em se divertir, que ele é egoísta, que ele só pensa nele. Mas quando você compartilha o vestiário com ele, percebe que não existe nada disso. Ele é realmente uma pessoa gentil, que se aproxima dos outros, muito amigável e que joga primeiramente pelo time. É verdade que seu futebol é driblando, ele é um driblador e você não vai pedir que ele pare de fazer isso porque ele o faz muito bem. Não há quem dribla como ele no campo, ele é um jogador que pode nos fazer ganhar títulos e nós temos que aproveitá-lo", comentou.

Com Neymar e Cavani, Mbappé forma um ataque poderoso e temido no seu país, onde lideram com folga o Campeonato Francês, mas também na Europa. Ele assegura, porém, que o time não depende apenas do setor ofensivo. "Não pensamos em ser o melhor ataque do mundo, mas a melhor equipe do mundo. O que queremos é ganhar, somos competitivos. É bom isso de sermos o melhor ataque do mundo, mas isso não te garante nada. Quem ganha é a equipe", comentou.