Das agências
De Punta Del Este, Uruguai
Dezenas de admiradores, vários ex-jogadores, personalidades e até o ex-presidente argentino Carlos Menem passaram ontem pela clínica onde o ex-jogador Diego Maradona (foto) está internado, em Punta del Este, a 140 km de Montevidéu, no Uruguai. O ex-jogador uruguaio Enzo Francescoli, seus compatriotas Carlos Aguilera (Peñarol), Gabriel Cedrés (Peñarol, ex-River Plate) foram visitar Maradona, levado à clínica na tarde de terça-feira após uma crise de hipertensão e arritmia ventricular.
Os argentinos Hugo ‘‘el Loco’’ Gatti (ex-goleiro do Boca Juniors) e Martín Palermo (Boca Juniors) também estiveram na clínica uruguaia.
Carlos Menem, o empresário de Maradona, Guillermo Cóppola e o estilista argentino Roberto Giordano, foram a Punta del Este visitar o ex-jogador, considerado o ‘Atleta do Século’ na Argentina. ‘‘Estou saindo daqui muito mais tranquilo. Diego está bem. Está perfeitamente bem’’, disse Menem ao deixar o hospital. Na noite de terça-feira, o atual presidente argentino, Fernando de la Rúa telefonou para Maradona para desejar-lhe ‘‘pronta recuperação’’.
A mãe de Diego Maradona criticou publicamente ontem um canal de televisão que informou que o ex-jogador de 39 anos estava internado por causa de uma overdose e não por hipertensão. ‘‘Quando fiquei sabendo do escândalo feito pela Crónica TV, viajei a Punta del Este para saber o que estava acontecendo com Diego. Quando cheguei, comprovei que era apenas uma hipertensão, algo de que também o pai dele sofre’’, explicou Dalma ‘Tota’ Maradona, falando à rádio Mitre. ‘‘Não fiquem com raiva de Diego, que tantas alegrias deu ao país’’, pediu Dalma.
Otimismo – O quadro clínico do ex-jogador Diego Maradona se encontra ‘‘estável’’ e evolui ‘‘favoravelmente’’, segundo o boletim médico divulgado na tarde de ontem pela direção do Hospital de Punta del Este. O chefe da unidade de terapia intensiva do hospital, Frank Torres, que assina o boletim, reiterou que o motivo da internação foi uma crise de hipertensão, mas não informa sobre o que gerou a crise. O especialista não faz qualquer referência a prazo para a alta. Ressalta, entretanto, que ‘‘em breve’’ o ex-jogador deverá deixar o hospital.