|
  • Bitcoin 140.026
  • Dólar 4,7700
  • Euro 5,1182
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 18/03/2022, 21:28

Mais de 20 grupos apresentam propostas para comprar o Chelsea

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 18 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A licitação para a compra do Chelsea está encerrada. O prazo para enviar ofertas pelo clube inglês terminou nesta sexta-feira (18), às 18h (de Brasília). Esse foi o prazo estabelecido pelo Raine Group, banco responsável pela gestão e registro de todas as propostas dos mais de 20 grupos que fizeram ofertas.

Com a invasão da Ucrânia pela Rússia, o governo britânico impôs sanções a Roman Abramovich, proprietário dos Blues, por seus laços com o presidente russo, Vladimir Putin. Dessa forma, todos os ativos do oligarca foram congelados, incluindo Chelsea, que foi colocado à venda.

Após o anúncio de que a equipe inglesa estava disponível no mercado, muitos grupos de investimentos demonstraram interesse em adquirir o clube.

A disputa por esse negócio será acirrada. Alguns grupos de todas as partes do mundo se interessaram pelo atual campeão da Liga dos Campeões. Dentre eles, há o grupo sul-coreano Hana Financial Group, que se juntou com o consórcio formado pelos empresários Todd Boehly e Hansjorg Wyss.

Além deles, os Ricketts, donos do Chicago Cubs (MLB) e Woody Johnson, acionista majoritário do New York Jets (NFL), teriam lançado uma oferta de 2,4 bilhões de euros (R$ 13,3 bilhões, na cotação de hoje) pelo Chelsea.

Essa foi a mesma quantia oferecida pela Aethel Partners, instituição financeira sediada em Londres que anunciou ter 60 milhões de euros (R$ 334 milhões) disponíveis para cobrir as despesas imediatas do clube.

No entanto, o grupo com maior capacidade econômica é o Saudi Media Group. Com um capital de mais de um bilhão de euros, este consórcio saudita tem por trás Mohamed Alkhereiji, outro torcedor do Chelsea cuja oferta pela equipe teria ultrapassado os 3 bilhões de euros (R$ 13,7 bilhões).