O novo coordenador técnico da seleção brasileira, Antônio Lopes, gostaria de ter Carlos Alberto Parreira, hoje no Atlético-MG, como treinador da equipe nacional. Lopes, que assumiu a sua função sábado, será o responsável pela escolha do novo técnico e da comissão. Em entrevista ontem, no Rio de Janeiro, ele deu a entender que o atual treinador do time mineiro é o seu preferido para dirigir a seleção.
O anúncio do nome escolhido apenas deverá ser feito no fim da Copa João Havelange. Questionado pela reportagem se já tinha um nome para o cargo, Lopes foi enfático ao citar Parreira em primeiro lugar, depois de afirmar que levaria em conta o currículo e os títulos internacionais de cada técnico para fazer a opção.
‘‘Parreira é um grande nome, um vitorioso. Ele é tetracampeão mundial, muito competente nas partes técnica e tática, conhece muito o futebol mundial e sabe trabalhar em equipe’’, disse, depois de enumerar justamente essas características como fundamentais para o perfil do futuro treinador da seleção.
Parreira foi técnico da equipe na conquista da Copa do Mundo de 1994, nos EUA, onde o Brasil venceu a competição pela quarta vez. Na ocasião, Zagallo era o coordenador técnico da equipe, mas tinha menos poderes do que Lopes terá agora.
Muito cotado desde a demissão de Wanderley Luxemburgo, Parreira tem dito que não gostaria de retomar a função por causa da grande pressão que ela implica. Procurado pela reportagem, ele não foi encontrado ontem.
Depois de elogiar Parreira, o coordenador técnico da seleção citou ainda Luiz Felipe Scolari, Oswaldo de Oliveira, Levir Culpi e Carlos Alberto Silva – nesta ordem – como nomes capacitados para a função e que se encaixariam no perfil desejado por ele para comandar a equipe nacional.
Oliveira, atual técnico do Vasco, aparece com forte chance também, devido ao seu bom contato pessoal com Romário e com o próprio Antônio Lopes. O restante da comissão técnica será escolhido por Lopes e pelo futuro treinador, o que só acontecerá depois da Copa João Havelange. ‘‘Não tem pressa. Não há necessidade de anunciar o treinador prematuramente’’, repetiu Lopes diversas vezes ontem.
Segundo Lopes, a sua função será de ‘‘coordenar, assessorar e fiscalizar o trabalho de todos os segmentos da comissão técnica, incluindo o auxiliar, o preparador físico e o treinador de goleiros’’.