|
  • Bitcoin
  • Dólar
  • Euro
Londrina

TREINADOR ALVICELESTE 5m de leitura Atualizado em 29/11/2021, 09:17

Márcio Fernandes: do jeito paizão a salvador da pátria

Sob comando do técnico, Londrina conquistou 45,6% dos pontos disputados na Série B

PUBLICAÇÃO
domingo, 28 de novembro de 2021

Pedro Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O técnico Márcio Fernandes termina a Série B confirmando sua fama de salvador da pátria e “cascudo”. O treinador, que livrou o Santo André do rebaixamento no Paulista e comandou o Vila Nova nos títulos da Série C de 2015 e 2020, chegou com a missão de dar nova cara e confiança ao abatido elenco alviceleste. Sua contratação foi em julho, no lugar de Roberto Fonseca. 

Imagem ilustrativa da imagem Márcio Fernandes: do jeito paizão a salvador da pátria
|  Foto: Isaac Fontana/FramePhoto/Folhapress
 

Com Fernandes o Londrina conseguiu melhorar de rendimento, apesar de várias partidas apáticas. Dos 11 triunfos da equipe no campeonato, dez foram sob o comando de Márcio, que ainda conquistou sete empates. Foram outros dez reveses, que deixam o treinador com aproveitamento de 45,6%. Quando ele chegou o Tubarão tinha apenas sete pontos em 11 rodadas disputadas.  

Segundo o técnico, o trabalho de preparação que antecedeu o duelo com o Vasco foi difícil e ao mesmo tempo especial. “Tinha que passar confiança para os jogadores, passar informações para que eles tivessem certeza do que estávamos falando e essa certeza eram os números. Pelo segundo turno, por exemplo, já estávamos livres (do rebaixamento). Tínhamos 22 pontos, o Remo vinha de um momento pior e nós de uma subida”, ressaltou. 

O comandante azul e branco surpreendeu na escalação de domingo, colocando um homem a mais no meio-campo, que foi Gegê. “Nosso meio estava muito vulnerável com Jhonny Lucas e João Paulo. Não tínhamos compactação entre ataque, defesa e meio. Procurei nos treinamentos encher o meio e ter condição de bate e volta do lado esquerdo com Caprini. Jogamos num 3-4-3 e quando o Vasco percebeu isso já tínhamos feito dois gols. Voltamos no 4-4-2 e mantivemos o time bem posicionado”, explicou a estratégia. 

Para ele, o Tubarão ainda contou com uma ajuda dos céus. “Acontecer as coisas do jeito que aconteceram tem que ter merecimento, não é só jogar. Foi tudo perfeito, do jeito que Deus planejou. Tínhamos que ficar no campo (após o jogo acabar), esperando o momento de vibrar. Isso aproximou ainda mais o time. Foi um momento fantástico, que vou guardar para o resto da vida”, valorizou.  

Sob o comando de Márcio Fernandes o LEC também foi campeão Paranaense, apesar de ele não estar presente na final, justamente por treinar o elenco que visava a reação na Série B. “As pessoas que realmente foram campeãs foram o Roberto (Fonseca) e o Juninho (Roberto Fonseca Junior)”, lembrou.  

Nos últimos quatro meses, Fernandes morou no CT (Centro de Treinamentos) da SM Sports, onde a maioria dos jogadores vivem. “Foi importante ter ficado no CT, poder ficar mais junto dos jogadores, participar mais, ver a luta de cada um. Ver as coisas que algumas pessoas às vezes não ficam sabendo, participar mais da família de cada um”, elencou, mostrando seu lado paternal de trabalhar. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.

instagram

ÚLTIMOS POSTS NO INSTAGRAM