EM FORMAÇÃO LEC ‘lava roupa suja’ e busca reforços Diretoria do Tubarão define, como prioridade, a contratação de um centroavante antes do início do Campeonato Paranaense Mário CésarSustoO volante Cerezo foi assediado pelos diretores do Marília (SP), mas resolveu ficar no Londrina Áureo Nogueira De Londrina O Londrina ainda tem a necessidade de mais três contratações para a disputa do Campeonato Paranaense, cuja estréia será no dia 12, contra o União, em Bandeirantes. A opinião é do próprio coordenador-geral do clube, Célio Guergoleto, que participou de uma reunião ontem com toda a comissão técnica e o supervisor Sérgio Amílcar Pereira (o Soco). A prioridade é um centroavante, para substituir Ângelo, que nem chegou a estrear e já foi embora. Depois, mais um meio-campista e, por fim, um zagueiro. Ontem mesmo o supervisor Seco tentou a contratação de Moisés, mas o atacante já acertou com o Oeste, de Itápolis (SP). Guergoleto, entretanto, ainda tem a expectativa de convencer o atleta a jogar no Londrina. ‘‘Vou entrar em contato diretamente com o Moisés. Ainda acredito na possibilidade de trazê-lo.’’ Apesar do consenso sobre a necessidade de mais reforços, o coordenador-geral ressalva dizendo que a contratação do meia e do zagueiro somente será possível durante o campeonato. ‘‘Nossas condições financeiras não são favoráveis. Por isso, vamos esperar o desempenho dos recém-contratados antes de tomar qualquer decisão’’, destacou Guergoleto, acrescentando que o elenco já conta com mais de vinte jogadores profissionais e alguns juniores. Além das questões técnicas, a reunião de ontem serviu também para ‘‘lavar roupa suja’’. É que na quarta-feira ocorreram alguns fatos que revelaram falta de entrosamento fora do campo. Antes da viagem a Paraguaçu Paulista (para jogar o amistoso com o Paraguaçuense), o centroavante Ângelo se recusou a embarcar porque não teria recebido de acordo com o contratado; não houve lanche para a delegação, apesar de o coordenador-geral ter afirmado que forneceu dinheiro ao funcionário do clube responsável pela compra; e o ônibus era velho e desconfortável. O clima na delegação era de desânimo. Além disso, os jogadores Ivanildo e Cerezo foram assediados por diretores do Marília. Apesar de tudo, o time apresentou bom desempenho em campo e conseguiu um empate de 1 a 1 com o Paraguaçuense. Segundo Guergoletto e Soco, a reunião de ontem esclareceu os acontecimentos. O coordenador-geral explicou que deu R$50 diretamente para o supervisor (que utilizou o dinheiro para comprar água – R$32,) e mais R$150 para outro funcionário, que se esqueceu de entregá-lo a Soco. Ivanildo e Cerezo manifestaram desejo de continuar no clube e, juntamente com Ânderson e Marco Antônio Silva, assinaram contrato. ‘‘Colocamos os pingos nos is. Deixamos todos conscientes da situação do Londrina e pedimos empenho e dedicação’’, completou Guergoleto.