|
  • Bitcoin 124.500
  • Dólar 5,0721
  • Euro 5,1927
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 01/03/2022, 18:01

Jogadores chegam da Ucrânia e detalham momentos de angústia

Pai do paranaense Vitão, do Shakhtar, fala em alívio com retorno do filho ao Brasil

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 01 de março de 2022


AUTOR autor do artigo

Foto: Nelson Almeida/AFP
menu flutuante

Jogadores brasileiros, familiares e amigos desembarcaram em São Paulo e no Rio de Janeiro, nesta terça (1), após deixarem a Ucrânia em meio à guerra envolvendo ucranianos e russos. Fernando, Pedrinho, Maycon e Dodô, todos do Shakhtar Donetsk, chegaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Já Marlon Santos, também do Shakhtar, e Bruno Ernandes, do Hirnyk-Sport, desembarcaram no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio. Já o paranaense Vitão, também do Shakhtar, tem chegada prevista em São Paulo no início da noite de hoje.

Brazilian football player Pedrinho, of Ukranian team Shakhtar Donetsk, speaks to the press upon his arrival from Ukraine following Russia's invasion, at the airport in Guarulhos, Sao Paulo state, Brazil, on March 1, 2022. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) Brazilian football player Pedrinho, of Ukranian team Shakhtar Donetsk, speaks to the press upon his arrival from Ukraine following Russia's invasion, at the airport in Guarulhos, Sao Paulo state, Brazil, on March 1, 2022. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP)
Brazilian football player Pedrinho, of Ukranian team Shakhtar Donetsk, speaks to the press upon his arrival from Ukraine following Russia's invasion, at the airport in Guarulhos, Sao Paulo state, Brazil, on March 1, 2022. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) |  Foto: Nelson Almeida/AFP
 

Em contato com FOLHA, o pai de Vitão, Claudinei Matos, informou que o zagueiro de 22 anos permanecerá em São Paulo alguns dias e deve vir ao Paraná somente na próxima semana. A família reside em Jacarezinho (Norte Pioneiro). Claudinei disse que a sensação com a vinda do filho ao Brasil é de alívio.

O ex-corintiano Pedrinho se emocionou ao chegar em território brasileiro. “É muito cedo para falar sobre voltar. Tudo aconteceu agora. O que mais quero é estar com a minha família, com meus pais. Todas as vezes que eu falava com eles, eu sempre me despedia, pois não sabia se seria a última vez. Então quero chegar em casa, ficar com a minha filha. Foram cenas lamentáveis e desejo que ninguém passe por isso”, declarou. Ele, Dodô e o preparador físico Luciano Rosa vieram da França.

“Foi uma mistura de sentimentos, de tristeza, de terror, de todas as palavras que demonstram isso, e depois um alívio, uma gratificação por ter conseguido sair, todos bem, sem nenhum susto”, disse Maycon, que pegou um voo com a família em Frankfurt, na Alemanha.

Os brasileiros faziam parte do grupo que passou os últimos dias em um bunker em um hotel de Kiev, capital da Ucrânia. Eles deixaram o bunker no último sábado (26) e pegaram um trem até Chernivtsi, no oeste da Ucrânia.

Foram 16 horas de viagem de trem até a fronteira com a Moldávia. Depois, o grupo ainda foi de ônibus até a Romênia. Eles ainda passaram por outros países para aí sim embarcarem para o Brasilia. (Com Folhapress)