Jardine pensa em como mudar Brasil sub-23 no Pré-Olímpico


Danilo Loveri e Pedro Lopes - Folhapress
Danilo Loveri e Pedro Lopes - Folhapress

A seleção brasileira sub-23 teve um primeiro tempo muito bom diante do Peru na estreia no Pré-Olímpico, no domingo (19), e chegou a animar torcedor e comissão técnica. A queda no segundo tempo, no entanto, fez André Jardine voltar a pensar em algo que ele constantemente fala publica e internamente: o time que começa a competição dificilmente é o que termina.

O treinador tem 11 jogos no projeto olímpico e mantém alguns dos atletas por conta de apresentações no passado, mas sabe que não pode se prender somente a isso na luta por uma vaga em Tóquio. Os dois principais nomes que têm ido bem em treinos são os de Reinier e Pepê.



O meio-campista teve a sua contratação anunciada na segunda (20) pelo Real Madrid e ganhou a chance de entrar por alguns minutos na estreia. O atacante gremista, por sua vez, não saiu do banco, mas chama a atenção do comandante pelo desempenho nos treinos.

O agora ex-flamenguista, na visão de Jardine, dá mais presença de área ao meio-campo do Brasil. Foi por isso, inclusive, que ele entrou no lugar de Pedrinho, do Corinthians. Essa é uma substituição que, constantemente, passa pela prancheta do professor e de seus auxiliares.

Mais à frente, Pepê pode fazer Antony perder espaço. O são-paulino teve um ótimo desempenho nas partidas em que entrou, mas tem visto o gremista crescer de produção e "pedir espaço" como se refere o comandante nos vestiários, especialmente por ser mais incisivo.

O discurso é constante nas preleções de Jardine. Não à toa, Maycon, que entrou nos minutos finais no lugar de Yuri Alberto para reforçar a marcação, citou o discurso do treinador em entrevista concedida na concentração da seleção em Armênia.

"A gente tem um grupo extremamente qualificado. Todos os jogadores sabem da qualidade de cada um. O Pré-Olímpico é curto, mas temos que trabalhar forte para os de cima não se sentirem confortáveis com a titularidade, assim como os de baixo precisam se esforçar para tentar disputar posição, com a possibilidade de jogar. Jardine já deixou claro que todos disputam posição e o time que começa tem que disputar posição para não dar brecha", afirmou.

Além de Pepê e Reinier, outro que é visto com bons olhos por Jardine é Igor Gomes. O meio-campista são-paulino concorre por um espaço com Matheus Henrique, do Grêmio. Essa substituição, no entanto, é tratada com mais precaução por conta da diferença de estilo entre os atletas.

Igor tem menos poder de marcação e é mais criativo, enquanto o gremista é mais defensivo, apesar de sua boa saída de bola. Os dois oscilaram bastante diante do Peru e, por isso, a comissão analisa com cautela a possibilidade de uma troca.

Outra troca é certa: Matheus Cunha, artilheiro da seleção na Era Jardine com nove gols em 11 jogos, voltará a ser titular após ser vetado por um mal-estar na estreia. Yuri Alberto, do Santos, vai perder a posição.

Depois de vencer por 1 a 0 na estreia, o Brasil encara o Uruguai às 22h30 (de Brasília) desta quarta-feira (22), em Pereira. Se vencer, o time fica com seis pontos e vira líder isolado do grupo B. Os dois primeiros de cada chave avançam para o quadrangular final, que classifica o campeão e o vice para Tóquio-2020.

Estádio: Hernán Ramírez Villegas, em Pereira (COL)

Horário: 22h30 (de Brasília) desta quarta

Transmissão: SporTV e SporTV Play

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias