|
  • Bitcoin 103.629
  • Dólar 5,3359
  • Euro 5,5329
Londrina

Esporte

m de leitura Atualizado em 07/06/2022, 20:26

Itália domina, vence Hungria e lidera 'grupo da morte' da Liga das Nações

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 07 de junho de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A Itália conseguiu sua primeira vitória na Liga das Nações. Diante de sua torcida, a seleção italiana bateu a Hungria por 2 a 1, nesta terça-feira (7), no estádio Dino Manuzzi, e assumiu a liderança do Grupo 3 da competição europeia.

Dominante desde o apito inicial, a Azzurra abriu o placar aos 29 minutos do primeiro tempo, com Barella. Pellegrini ampliou para os donos da casa aos 44. Mancini, contra, diminuiu para a Hungria aos 15 do segundo tempo.

A vitória coloca a seleção de Roberto Mancini provisoriamente na primeira colocação da sua chave, que ainda conta com Alemanha e Inglaterra. Este também é o primeiro triunfo italiano nesta data Fifa. Antes, a Azzurra perdeu a Finalíssima para a Argentina e empatou com a Alemanha.

A Itália volta a campo neste sábado (11), às 15h45 (de Brasília), para enfrentar a Inglaterra no Molineux Stadium, pela terceira rodada da fase de grupos. Já a Hungria recebe a Alemanha em mesmo dia e horário, na Puskás Arena.

Jogando diante de sua torcida, a Itália pressionou a Hungria desde o início. Trocando passes com tranquilidade no campo de ataque, a seleção italiana não teve dificuldades para pisar na grande área e finalizar.

Aos 17 minutos na primeira etapa, Gnonto recebeu livre dentro da área, mas pecou na finalização. Já aos 21, Mancini aproveitou escanteio cobrado no meio da área para cabecear no contrapé do goleiro Dibusz, que se esticou todo e fez a defesa.

Do outro lado, a seleção húngara explorou contra-ataques e bolas paradas. Aos 25, Schafer acionou Szalai no bico da área, que testou o goleiro Donnarumma. Três minutos depois, o arqueiro italiano foi obrigado a deixar a meta para afastar bola de Szoboszalai.

A superioridade italiana se transformou em gol aos 29 minutos do primeiro tempo. Spinazzola encontrou Barella na entrada da área, que ajeitou o corpo e mandou no ângulo de Dibusz. O goleiro se esticou, mas não evitou o tento.

O gol incendiou a Azzurra, que se lançou ainda mais ao ataque. No último lance do primeiro tempo, Raspadori recebeu pela direita, driblou o marcador e cruzou rasteiro. A bola atravessou a pequena área e chegou em Pellegrini, que não desperdiçou.

A boa vantagem construída no primeiro tempo não acomodou a seleção italiana, que bombardeou a meta de Dibusz nos dez minutos iniciais da segunda etapa. Politano arriscou da entrada da área, e acertou o travessão. Dois minutos depois, Barella tentou uma tabela dentro da área e a bola sobrou para Gnoto, que finalizou próximo à trave.

Tentando aliviar a pressão italiana, o técnico Marco Rossi, da Hungria, colocou Attila Fiola aos 13 minutos do segundo tempo. E o jogador precisou de apenas dois minutos em campo para diminuir a desvantagem húngara. Após receber livre pela direita, Fiola cruzou rasteiro e o afobado Mancini empurrou contra o próprio gol.

O gol animou a Hungria, que conseguiu, pela primeira vez na partida, trocar passes no campo adversário. Apostando majoritariamente em jogadas em velocidade, especialmente pelas laterais do caso, a seleção húngara testou a defesa dos donos da casa, mas parou nas mãos de Donnarumma.

Enquanto isso, a Itália tentou administrar a partida e assegurar o primeiro triunfo na competição. Marcando a saída de bola da Hungria e preferindo a troca de passes aos ataques, a Azzurra diminuiu o ritmo e priorizou o resultado.