|
  • Bitcoin 121.924
  • Dólar 5,0950
  • Euro 5,2487
Londrina

Esporte

Atualizado em 10/02/2020, 10:08

Há 20 anos, Brasil vencia pré-olímpico de futebol em Londrina

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Tiago Santos - Estagiário*
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O Estádio do Café foi palco do Pré-Olímpico de 2000 com a presença da seleção brasileira em Londrina, entre 18 de janeiro e 6 de fevereiro daquele ano. A cidade se preparou por meses para receber a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo, que tinha dentro de campo o craque Alex, meia do Palmeiras, e o jovem gremista Ronaldinho Gaúcho, que anos depois foi eleito o melhor jogador do mundo, quando viveu uma fase extraordinária com a camisa do Barcelona. Os londrinenses lotaram o Café em 7 jogos até a conquista do título que entrou para história do esporte local.  

A escolha de Londrina como uma das cidades-sedes foi confirmada em outubro de 1999. Segundo o arquivo da FOLHA, a cidade superou a concorrência de Maringá, Foz do Iguaçu, Paranavaí e Toledo para receber o grupo encabeçado pela seleção brasileira. O Grupo B, que tinha a Argentina como cabeça de chave, jogou as partidas da primeira fase no Olímpico Regional em Cascavel, no Oeste do Paraná.

O formato da competição era o mesmo de hoje: primeira fase com 10 times divididos em dois grupos e um quadrangular final com os dois melhores de cada chave. De início, a previsão era de que a fase final fosse disputada na Arena da Baixada, em Curitiba. Posteriormente, a organização optou por também realizá-la em Londrina.

Em reportagem publicada em 10 de dezembro de 1999, a FOLHA mostrou que o pré-olímpico foi considerada uma conquista e um presente para Londrina, durante as comemorações do aniversário de 65 anos. Havia a expectativa de que o torneio impulsionasse o turismo local e foram reservados 200 apartamentos em hotéis para recepcionar as delegações. Eram esperados cerca de 300 jornalistas do mundo todo.

Além do Brasil, as seleções de Chile, Colômbia, Venezuela e Equador ficaram hospedados em Londrina na primeira fase. Na etapa final, Uruguai e Argentina se juntaram aos brasileiros e chilenos na decisão das vagas para a Olimpíada-2000, em Sydney, na Austrália.

Entusiasmado com o evento, o então prefeito Antônio Belinati afirmou que a cidade seria lembrada por muitos anos e receberia investimentos. "Quando as grandes empresas quiserem investir, com certeza, vão se lembrar de Londrina", declarou Antônio Belinati, que foi cassado no mesmo ano em decorrência do escândalo AMA/Comurb.

Torneio

Na estreia no Café, o Brasil empatou com o Chile em 1 a 1. Depois, vitórias contra Equador (2 a 0), Venezuela (3 a 0) e o histórico 9 a 0 contra a Colômbia. A seleção ficou na primeira colocação de seu grupo e disputou o quadrangular final com Argentina, Chile e Uruguai.

Contra a Argentina, o Brasil fez seu melhor jogo no torneio e venceu por 4 a 2, empurrado por mais de 40 mil torcedores no Café. Ronaldinho anotou três vezes – incluindo um belo gol de falta. Alex fez um golaço de fora da área, encobrindo o goleiro depois de um corte desconcertante no volante Esteban Cambiasso, que teria carreira vitoriosa no futebol europeu. Aimar, Saviola e Riquelme também faziam parte da seleção argentina.

 

Embalada, a seleção também derrotou o Chile por 3 a 1 e empatou com o Uruguai em 2 a 2, carimbando o passaporte para os jogos de Sydney, na Austrália. O Chile ficou com o vice-campeonato e com a outra vaga.

Decepção na Austrália

Pressionada pela busca obsessiva da primeira medalha de ouro e pela traumática derrota para a Nigéria nas Olimpíadas de Atlanta (EUA), em 1996, o Brasil teve um desempenho fraco no torneio olímpico em 2000.

A seleção acabou derrotada por Camarões nas quartas-de-finais. A equipe africana abriu o placar aos 17 minutos do primeiro tempo. O gol de empate veio apenas aos 49 minutos do segundo tempo, em cobrança de falta de Ronaldinho, forçando a prorrogação.

Mesmo em vantagem numérica após expulsão de Geremi ainda no segundo tempo, o Brasil não conseguiu a virada e o castigo veio com o camaronês Mbami, que chutou de fora da área para marcar o gol de ouro e encerrar a disputa. A tão sonhada medalha de ouro só viria 16 anos depois, nas Olimpíadas do Rio.

*Sob supervisão do editor Rafael Fantin