Não foi a partida mais técnica ou brilhante, mas cumpriu o propósito. Ontem, em Sassari (ITA), o Brasil venceu seu último adversário na primeira rodada do Grand Prix, a República Dominicana, por 3 a 0 (26-24, 25-19 e 25-18). As caribenhas são as lanternas da competição, sem nenhum ponto obtido após três rodadas.
A Seleção alternou altos e baixos durante a partida, principalmente quando abria certa distância no placar e "se acomodava", permitindo reações das fracas rivais.
No primeiro set, por exemplo, o Brasil liderou por seis pontos antes da segunda parada técnica (14 a 8), permitiu a virada das dominicanas e quase pôs tudo a perder, quando ficou em desvantagem de 23 a 20.
Com a inversão de 5-1, chave do técnico José Roberto Guimarães nos três jogos até aqui no torneio, conseguiu fechar o placar em 26 a 24.
Um susto desnecessário no primeiro set, e repetido no segundo. O Brasil chegou à marca de 22 pontos, contra 13 das rivais, e permitiu seis pontos seguidos das dominicanas. Mais uma vez, Fernanda Garay foi a saída nos momentos difíceis.
No set final, a Seleção esteve à frente durante toda a parcial, mas quando o treinador brasileiro colocou as reservas em quadra, o Brasil viu sua vantagem de cinco pontos cair para dois. Até que as titulares, comandadas por Thaisa e Jaqueline, voltaram para fechar a partida. E Garay foi novamente o nome do Brasil em quadra, com 15 pontos.
A Seleção mostrou a ansiosidade normal de uma equipe sem tanto ritmo de jogo e ainda em começo de trabalho, mas deixou claro que, ainda que seja forte, precisa melhorar.
Com a vitória de ontem, a Seleção sai da Itália na liderança da classificação geral entre as 12 equipes que disputam o Grand Prix, com nove pontos conquistados. Rússia, Sérvia e Turquia vem a seguir, com sete.

Imagem ilustrativa da imagem GRAND PRIX - Seleção vence e lidera GP de forma isolada
Imagem ilustrativa da imagem GRAND PRIX - Seleção vence e lidera GP de forma isolada