O choro sem controle de Gil de Ferran, ainda no cockpit de seu carro no circuito de Fontana, e sua primeira declaração depois de tirar o capacete, expressam bem o que sentia: ‘‘Eu esperei a vida inteira por esse momento.’’ Gil de Ferran, da Penske, conquistou duramente ontem o título da Fórmula Indy, ao classificar-se em terceiro na última etapa do campeonato, as 500 Milhas da Califórnia. A festa brasileira foi completa: Christian Fittipaldi, da Newman-Haas, venceu a prova e Roberto Pupo Moreno, da Patrick, terminou em segundo.
Desde 1989 o Brasil não comemorava o título da Indy, obtido por Émerson Fittipaldi naquela temporada.
O maior adversário de Gil, o mexicano Adrian Fernandez, da Patrick, exigiu vigília máxima do brasileiro. Na etapa mais tumultuada do campeonato, já que 26 largaram e apenas seis chegaram ao fim, Fernandez obrigou Gil correr com atenção máxima em cada instante da corrida de 804 quilômetros de extensão. O mexicano classificou-se em quinto. Qualquer erro do piloto da Penske poderia dar o título a Fernandez. Mas Gil esteve irretocável nas mais de três desgastantes horas de duração das 500 Milhas de Fontana, que teve sete bandeiras amarelas.
O brasileiro ainda contou com a sorte. Na 87ª volta de um total de 250, o motor do carro do espanhol Oriol Servia estourou, lançando óleo na pista. Michael Andretti acabou atingido por Servia. Gil vinha atrás e travou as rodas para não bater no norte-americano.
Com o resultado, Gil terminou o campeonato dez pontos à frente de Fernandez, quinto colocado ontem no oval mais veloz do mundo: 168 a 158. O Brasil terminou em terceiro também na temporada, já que Moreno, com os 16 pontos do segundo lugar em Fontana atingiu 147 pontos (terceiro colocado do campeonato).
Outro representante do País que realizou trabalho notável na corrida foi Hélio Castro Neves, companheiro de Gil, líder durante boa parte da competição. Mas na 226ª volta, a 24 da bandeirada, Castro Neves perdeu o controle do Reynard-Honda e bateu com violência, de traseira no muro, o que o levou imobilizado para o hospital do circuito. Além de Christian, Moreno e Gil, o Brasil ainda teve o paranaense Tarso Marques, da Dale Coyne, classificado em sétimo na prova.