Imagem ilustrativa da imagem FUTEBOL INTERNACIONAL<br> PORTO EM FESTA



Pela movimentação do lado de fora, parecia até que tratava-se de um jogo oficial, tamanha a animação e a presença da torcida do Porto, maior do que em muitos jogos do torneio. Mas era a partida de apresentação do time. Algo inexistente no Brasil, mas já uma tradição no Estádio do Dragão. Tanto que os 46.221 torcedores quebraram ontem o recorde de público nesse evento.
Não trata-se apenas de chamar os jogadores um por um. Há toda uma cerimônia, em um evento que, com casa cheia e ingressos entre 5 e 35 euros (de R$ 15 a R$ 105, aproximadamente), serve para movimentar os cofres do público antes mesmo do início das competições oficiais.
Na parte artística, primeiro entram dezenas de bandeiras e depois um grande dragão, mascote do clube. Antes de começar a coreografia, o técnico é chamado. Julen Lopetegui entra, faz o ritual de acordar o dragão. O animal mitológico o envolve, e o treinador saca uma espada e "mostra" quem é o seu comandante para o novo ano.
- Uma festa fantástica, nunca vi nada assim, muito bonita e tradicional, e tinha muita gente - disse o treinador portista, que é espanhol.
Depois foi a vez da dança. A SheSi, associação que divulga a cultura chinesa em Portugal, é a responsável pela coreografia.
Com temática militar e roupas camufladas, som de helicóptero, pessoas desciam em cordas com muita fumaça. A cara de umamissão. Nesse clima aparecem os jogadores, apresentados um a um. Brasileiros como Helton, Danilo, Kelvin e Casemiro foram muito aplaudidos. Mas o mais ovacionado foi o português Quaresma.

Jogo sem graça Ah, e ainda teve jogo. Com times em formação, um 0 a 0 sem grandes emoções com o Saint-Étienne. Óliver foi o destaque do Porto, além da estreia de Casemiro, brasileiro que vem emprestado pelo Real Madrid. *O repórter viaja a convite do FC Porto Brasil