Valmir Denardin
De Foz do Iguaçu
Foz do Iguaçu, a quinta maior cidade do Paraná, poderá ficar sem representante nas principais divisões do futebol estadual deste ano. O Foz do Iguaçu Futebol Clube anunciou esta semana sua desistência da Série A-2, a segunda divisão do Campeonato Paranaense.
O motivo alegado pelo presidente do clube, o empresário Oneldo Luiz de Obregón, é de que o Foz ficou sem estádio para mandar seus jogos. Sem estrutura própria, o clube utilizava, desde sua criação, há três anos, o estádio do ABC, uma equipe amadora da cidade.
Devido a divergências pessoais com Obregón, o presidente do ABC, Ademir Flor, proibiu o Foz de utilizar a estrutura. A diretoria do clube tentou então negociar com o Flamengo, outra equipe amadora da cidade, mas também obteve resposta negativa. ‘‘Por não termos um estádio municipal, já havíamos perdido o Pré-Olímpico (que acabou sendo realizado em Cascavel e Londrina) e agora temos que ficar fora do Paranaense’’, afirmou Obregón.
A desistência do Foz ocorre a menos de 20 dias da estréia no campeonato, no próximo dia 20, contra o Santo Antônio do Sudoeste. Criado em 97, o Foz sempre participou da Série A-2 (foi terceiro em 97 e 98 e quinto em 99). Nesta semana, o clube já começou a desmantelar a equipe, emprestando jogadores.
A única chance de Foz do Iguaçu participar do campeonato é a inclusão de outra equipe da cidade na competição. Desde a desistência, o Cataratas Atlético Clube – equipe profissionalizada em setembro do ano passado, que neste ano disputaria a Série A-3- vem tentando obter a vaga do Foz. As negociações estão sendo feitas junto à Federação Paranaense de Futebol (FPF).
O superintendente da FPF, Eliseu Siebert, disse ontem à Folha que a decisão sobre a possível aceitação do Cataratas como convidado será tomada pelo presidente da entidade, Onaireves Rolim de Moura. Siebert, no entanto, advertiu que a inclusão poderia gerar ‘‘problemas estatutários’’, já que a tabela da A-2 foi impressa com o nome do Foz.

NA VILA BELMIRO
Santos 0
Nei; Michel, Galván, Jean e Rubens Cardoso; Claudiomiro (Caíco), Anderson Luis, Adiel (Aílton) e Deivid (Weldon); Caio e Dodô.
São Paulo 1
Rogério Ceni; Belletti, Paulão, Wilson e Ricardinho; Edmílson, Vágner, Souza e Marcelinho (Fábio Simplício); Raí (Carlos Miguel) e Evair.
Árbitro: Samir Yarak (RJ)
Estádio: Vila Belmiro, em Santos
Gol: Carlos Miguel, aos 35 do 2º tempo